75% das entradas para os Jogos de Pequim não foram vendidas

Devido à grande procura chinesa de ingressos pela internet, o sistema de informações entrou em colapso

Efe

28 de janeiro de 2008 | 04h34

Os problemas na venda de entradas para os Jogos Olímpicos continuam. Após o fim da segunda fase de oferta, pela internet, 75% dos ingressos não foram vendidos, apesar do grande número de solicitações, informou nesta segunda-feira, 28, o Comitê Organizador de Pequim 2008 (Bocog).    A segunda fase não seria feita por sorteio, e seguiria uma estrita ordem de demanda pela internet, por telefone ou diretamente nas filiais do Banco da China. Devido à grande procura, o sistema de informações entrou em colapso e foi descartado.   Por causa deste problema, que demorou várias semanas para ser resolvido, o responsável do departamento de entradas do Bocog, Rong Jun, foi destituído Nesta segunda fase foram colocados à venda 1,8 milhão de ingressos para os Jogos, que acontecerão de 8 até 24 de agosto, além de 47 mil entradas para as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Paraolímpicos, em setembro.   Na primeira fase, que ocorreu em agosto de 2007, foram disponibilizadas 1,5 milhão de entradas pela internet e através de sorteio.   Segundo fontes do Comitê, citadas pelo estatal China Daily, na segunda fase foram vendidas 450 mil entradas, apenas um quarto das ofertadas. O número de solicitações foi de 700 mil.   Centralização   Várias finais de esportes populares entre os chineses foram muito procuradas, enquanto outras competições despertaram pouco interesse.   Isso explicaria o número de entradas ainda não vendidas, apesar da procura. A demanda foi "extremamente grande, mas muito centralizada em certos eventos", disse um responsável do Bocog.   Todos querem ver, por exemplo, a final dos 110 metros com barreiras, na qual esperam ver ganhar o atleta local Liu Xiang (ouro em Atenas e recordista mundial), ou as competições de tênis de mesa e badminton, nas quais a China é favorita.

Tudo o que sabemos sobre:
ingressosPequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.