Yuri Cortez/ AFP
Yuri Cortez/ AFP

Aiba afasta 36 árbitros enquanto investiga resultados do boxe na Olimpíada

Suspeita é de manipulação de resultados no Rio-2016; nomes ainda não foram revelados

Estadão Conteúdo

06 de outubro de 2016 | 11h32

A Associação Internacional de Boxe Amador (Aiba) anunciou nesta quinta-feira o afastamento de 36 árbitros e juízes laterais que trabalharam nos Jogos Olímpicos do Rio. Eles, que não tiveram seus nomes revelados, estão sendo investigados pela suspeita de manipulação de resultados.

De acordo com a Aiba, esses 36 oficiais, que atuaram em cima do ringue e também julgando os combates, estão inelegíveis para participar dos eventos que a entidade organiza. Até o fim do ano, só está programado o Mundial da Juventude, em St. Petersburg, na Rússia. O próximo Mundial adulto deve acontecer só em 2018.

No Rio-2016, o boxe olímpico estreou um novo formato de disputa, semelhante ao profissional, ainda que com menos rounds - três de três minutos no masculino, quatro de dois minutos no feminino. Agora, os vencedores são definidos por avaliação dos juízes, que dão notas de 8 a 10 aos lutadores a cada round, e não mais por número de socos acertados na face.

Alguns resultados contestáveis colocaram em dúvida a integridade da Aiba, dos árbitros e do próprio sistema de pontos. Rússia e Usbequistão, dois dos líderes dos casos recentes de doping, seriam beneficiados por um suposto esquema.

De forma surpreendente, o Usbequistão ganhou três medalhas de ouro - mesmo número de Cuba - e sete no total, liderando o quadro de medalhas da modalidade. O Brasil faturou um ouro só, com Robson Conceição, que venceu todas as suas lutas de forma incontestável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.