Christian Bruna/ EFE
Christian Bruna/ EFE

Alison usa estatura de 1,98m para mudar estratégia das passadas e levar título mundial de atletismo

Medalhista de ouro nos Estados Unidos altera maneira de correr e passa a fazer 12 passadas entre as barreiras, ao contrário das 13 utilizadas pela maioria dos atletas

Gonçalo Júnior, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2022 | 12h00

Quais são os segredos de um campeão mundial de atletismo? No caso de Alison dos Santos, medalha de ouro nos 400 metros com barreira em Eugene, nos Estados Unidos, nesta terça-feira, 19, a receita envolve uma adaptação do seu jeito de correr naturalmente às necessidades de uma prova que exige técnica e perfeição. 

Por causa da altura de 1,98m (1,12 m só de pernas), muito acima da média dos corredores, o paulista de 22 anos é um dos poucos no mundo a percorrer o espaço entre as barreiras com 12 passadas enquanto os outros fazem 13. Isso garante energia para disparar na reta final, quando os outros já sentem o peso da disputa. A mudança no jeito de correr que começou a ser treinada no final do ano passado já traz grandes resultados.

Medalhista de bronze em Tóquio 2020, Alison teve uma ascensão meteórica nos últimos quatro anos. Ele completava a prova em 49s78 em 2018 e conquistou o ouro com 46s29. E promete ir além. O próximo passo é se aproximar do recorde mundial que pertence ao norueguês Karsten Warholm (45s94).

“Eu já corri com o recordista mundial e a gente tem noção de que em algum momento baixar essa marca é possível. Os 46 (segundos) já foram um sonho para a gente e hoje não é mais”, disse Alison o medalhista de bronze nos Jogos de Tóquio. Ele repete o feito de Fabiana Murer, brasileira campeã mundial no salto com vara em 2011. 

“A pergunta não é nem se é possível, mas quando vamos chegar. As portas estão abertas. Se o Warholm corre 45, eu, o (Rai) Benjamim também podemos correr. Então a pergunta é quando”, disse o brasileiro referindo-se aos principais competidores.

Com o tempo de 46s29, novo recorde sul-americano e marca líder do ranking mundial de 2022, ele confirmou todas as expectativas, superando as campanhas de 2019 e 2021. Alison é o principal nome do atletismo brasileiro na atualidade

A evolução do paulista de São Joaquim da Barra (a 460 km de São Paulo) é simbolizada por uma temporada perfeita, invicto em todas as disputas. Ele venceu quatro etapas da Liga Diamante e chegou ao Mundial com o melhor tempo da temporada. No Mundial de Oregon, Piu venceu a qualificação no sábado, com 49.41, e a semifinal de domingo, com 47.85. É o líder do ranking mundial. “É um momento inesquecível, uma situação maravilhosa de alcançar o topo do mundo”, afirmou na pista norte-americana.

O “pulo do gato” para essa evolução é o novo padrão de passadas. Desde o ano passado, Alison vem fazendo 12 passadas entre as barreiras no meio da prova. A maioria dos atletas costuma fazer 13. É uma corrida mais natural, alinhada às suas características físicas e a sua velocidade. Ele é um dos três atletas no mundo a adotar essa estratégia, facilitada pela sua estatura de quase dois metros.

O número de passadas numa prova é treinado exaustivamente, não há improviso. A equipe técnica trabalha cada passada. Mas ela varia de competidor para competidor, cada um define o seu ritmo de acordo com seu biotipo. Tudo é planejado da primeira aceleração na largada, o intervalo entre cada uma das dez barreiras até o último pique. Nos 400 metros, existem dez barreiras. São 45 metros até a primeira e 35 entre cada uma da sequência e 40 metros da última barreira até o final.

Com as 12 passadas em parte da prova, ele consegue ser rápido no início e deslanchar quando os competidores sentem o peso da prova. “Antes, eu tinha de 'segurar' um pouco minha corrida para fazer essa quantidade de passadas. Com essa mudança, corro bem mais solto, mais próximo do que acontece naturalmente, do jeito que eu correria se não tivesse barreiras”, disse o corredor ao Estadão em janeiro quando ensaiava as mudanças que estão dando certo.

“Esse é o grande segredo da corrida dele. Ele faz o primeiro espaço da prova de forma confortável, com as 13 passadas. Na segunda parte da prova, ele força o ritmo. A partir da 6ª barreira, ele consegue a frequência ideal para dar velocidade. A partir da 8ª, ele abre um caminhão de todos, que começam a cair de rendimento”, diz o professor Cleberson Lopes Yamada, especialista em atletismo e técnico dos 400m sobre barreiras nos Jogos do Rio 2016.

Outra explicação de sua evolução está no crescimento físico. Ele é um atleta mais forte. Em quatro anos, ele passou de 71 para 78 kg. O ganho foi só de massa muscular. O percentual de gordura se mantém entre 3% e 6%.

As barreiras que Alison saltou ao longo da vida

O jeito descontraído e brincalhão de Alison dos Santos nas pistas representa a superação de um grande drama pessoal. Quando tinha dez meses e já andava se escorando pelos móveis da casa, ele sofreu um grave acidente doméstico. Bateu no cabo da frigideira que estava no fogão e virou sobre si o óleo quente no qual a avó fritava peixe. O líquido fervente caiu em sua cabeça, ombro e braços. Foram cinco meses de internação no Hospital do Câncer em Barretos.

Ele se recuperou. Mas, durante muito tempo, usou boné para esconder as cicatrizes. Vergonha. De vez em quando, ainda usa o acessório. Nos treinos, o boné protege as cicatrizes da cabeça do sol intenso. A pele é mais sensível no local. Por outro lado, a cobertura na cabeça atrapalha pela resistência ao vento e pela limitação da visão.

Ele contou ao Estadão que, em suas primeiras competições, em 2014, chegou a correr de touca para se esconder dos olhares. A partir das provas seguintes, começou a não se preocupar mais. Piu conta que o atletismo ajudou a se aceitar. O boné se tornou cada vez mais raro. Um campeão mundial não tem razão nenhuma para se esconder. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.