ALTOS&BAIXOS-Brasil tem 3 entre os 4 melhores no vôlei de praia

Veja abaixo quem sobe e quem desce nosJogos Olímpicos de Pequim após as competições destasegunda-feira. ALTOS * As duplas brasileiras dominaram completamente assemifinais masculinas do vôlei de praia da Olimpíada de Pequim,ao classificar três duplas entre as quatro semifinalistas dosJogos de Pequim. Além dos campeões de Atenas-2004, Ricardo eEmanuel, e da segunda dupla do país, Márcio e Fábio Luiz, osbrasileiros naturalizados pela Geórgia Jorge e Renatoconseguiram uma surpreendente vitória sobre a dupla da Holandae garantiram a disputa por um lugar no pódio. Como Ricardo/Emanuel e Márcio/Fábio Luiz vão se enfrentarnuma das semifinais, o Brasil já garantiu ao menos uma medalhade prata na modalidade. Caso Geor e Gia -- apelidos adotadospor Jorge e Renato -- vençam os norte-americanos Rogers eDalhausser, quatro brasileiros dividirão a quadra na luta peloouro, mas apenas dois defendendo o verde-amarelo. A bandeira daGeórgia é vermelha e branca. * A russa Yelena Isinbayeva cumpriu o que esperava opúblico estático no estádio Ninho de Pássaro e outras milhõesde pessoas assistindo pela televisão no mundo inteiro: quebroumais uma vez o recorde mundial do salto com vara, ao superar amarca de 5,05 metros. Isinbayeva, que já tinha assegurado o ouro e o recordeolímpico, ao saltar 4,95 metros, superou seu antigo recordemundial em 1 centímetro justamente na terceira e últimatentativa. A russa ficou incríveis 25 centímetros à frente darival mais próxima, a norte-americana medalha de prata JenniferStuczynski. BAIXOS * A organização da final feminina da prova do salto comvara prejudicou as chances de medalha da brasileira FabianaMurer, que chegou a Pequim como uma das três melhores atletasda prova no ano. Ao procurar sua vara específica para saltaracima de 4,45 metros, Fabiana não encontrou o instrumento e sedesesperou com a incapacidade dos oficiais de encontrar a vara. Fabiana, que foi obrigada a adaptar outra vara paracontinuar na competição depois de muita discussão com osárbitros, acabou eliminada ao errar as três tentativas parasuperar o sarrafo a 4,65 metros, bem abaixo do seu recordepessoal de 4,80 metros. Se dizendo "revoltada com a desorganização", a brasileiraafirmou que nunca mais voltará à China. * Maior esperança de medalha de ouro para a China noatletismo, o atual campeão olímpico dos 110 metros combarreira, Liu Xiang, levou o país inteiro às lágrimas aoabandonar a largada ainda na primeira eliminatória com umalesão na perna direita. Após uma falsa largada, Liu mancou,sentindo dores na perna, e entrou pelo túnel para deixar oestádio Ninho de Pássaro sob um silêncio impressionante dos 91mil torcedores. Ao lado do jogador de basquete Yao Ming, Liu é o atletafavorito da China, e havia uma enorme expectativa para que elerepetisse o triunfo de 2004, quando tornou-se o primeirocampeão olímpico de seu país na pista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.