mpcrio/Divulgação
mpcrio/Divulgação

Álvaro se apoia na experiência de Alison para garantir pódio na Olimpíada de Tóquio em sua estreia

Jogador de 30 anos fará sua primeira participação em uma edição dos Jogos Olímpicos e sonha com conquista no vôlei de praia; para ele, o evento é uma Disneylândia do esportes

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2021 | 09h40

Dono de duas medalhas olímpicas no vôlei de praia masculino, Alison, aos 35 anos, chega na Olimpíada de Tóquio como um dos grandes na modalidade. Mas a novidade mesmo, na sua terceira participação nos Jogos Olímpicos, é a condição de atleta veterano, algo que ele mesmo diz ser crucial nas horas decisivas na areia, principalmente quando o seu parceiro é mais novo e está prestes a estrear. Álvaro, com 30 anos, fará sua primeira participação.

Ao lado de Alison, ele se apoia nos conselhos e na experiência do ‘Mamute’ para garantir o pódio no Japão. "São meus primeiros Jogos e tem essa ansiedade mesmo, mas estou focando em curtir cada momento e no que eu amo fazer. Eu tento usar ao máximo a experiência do Alison em Jogos Olímpicos. Fico fazendo perguntas no quarto, já deve estar até chato para ele. Para mim está sendo como a minha primeira vez na Disneylândia. Isso aqui é uma Disneylândia do esporte", disse Álvaro, em declaração ao Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Alison conhece muito bem esse encantamento com a Olimpíada no olhar de um atleta estreante. Em Londres-2012, quando foi medalhista de prata, estava na mesma situação de Álvaro. Era sua primeira Olimpíada e ao seu lado estava um gigante do vôlei mundial, Emanuel, que, na época, tinha as mesmas duas medalhas que Alison tem agora como veterano.

"Eu tento passar para o Álvaro a mesma coisa que o Emanuel me passou. 'divirta-se'. Quando entrar no refeitório, na Vila Olímpica, sinta-se um privilegiado. Você está entre a nata da nata do esporte mundial, está entre os quatro melhores do seu país na sua modalidade. Aproveite tudo, ande com o celular na mão, tire foto, concentre-se no treino", afirmou Alison, em entrevista ao COB. "Eu vejo nele o mesmo brilho nos olhos que eu tinha quando estreei com o Emanuel".

Alison e Álvaro começaram a jogar juntos em 2019 e, no Japão, vão tentar garantir a sétima medalha do vôlei de praia masculino ao Brasil, o país com maior número de medalhas na categoria (duas de ouro, três de prata e uma de bronze). Alison tem participação em duas destas: conquistou a medalha de prata ao lado de Emanuel, na edição de 2012, em Londres, e foi ao primeiro lugar do pódio, em 2016, no Rio, ao lado de Bruno Schmidt.

O primeiro jogo de Alison e Álvaro está marcado para o dia 24 de julho, na capital japonesa, contra a dupla de argentinos Azzad e Capogrosso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.