AFP
AFP

Americana bate recorde mundial de 28 anos nos 100m com barreiras

Foi um dos mais duradouros recordes do atletismo

Estadão Conteúdo

22 de julho de 2016 | 18h11

Faltando duas semanas para o início da Olimpíada do Rio, caiu nesta sexta-feira um dos mais duradouros recordes mundiais do atletismo, dos 100m com barreiras. Em uma prova impecável na etapa de Londres da Diamond League, no estádio olímpico utilizado nos Jogos de 2012, a norte-americana Kendra Harrison marcou 12s20 e melhorou em 0a01 o recorde que pertencia à búlgara Yordanka Donkova desde 1988.

Diversos recordes mundiais femininos do atletismo que duram até hoje foram batidos entre 1987 e 1988, muitos deles supostamente ajudados pelo consumo de substâncias dopantes. Agora, um desses recordes cai de forma bastante surpreendente.

Nova recordista mundial, Harrison, de 23 anos, não passou da semifinal do Mundial do ano passado e ficou em oitavo nos 60m com barreiras no Mundial Indoor disputado em março. Em Eugene (EUA), há um mês, entretanto, ela já havia feito uma marca impressionante: 12s24,a assumindo o segundo lugar do ranking mundial de todos os tempos.

OUTRAS PROVAS EM LONDRES - No salto com vara, o francês Renaud Lavillenie, líder do ranking mundial, confirmou o bom momento e venceu com 5,90m. Ele ainda tentou 5,97m, o que o faria se distanciar com o melhor da temporada, mas falhou nas três tentativas. O norte-americano Sam Kendricks ficou em segundo, com 5,83m.

Atual campeão mundial, Shawn Barber estava inscrito, mas não competiu. O outro dos favoritos ao pódio no Rio-2016 é o brasileiro Thiago Braz, que não se inscreveu para a etapa londrina. Na terça, em Jockgrim, na Alemanha, ele alcançou 5,72m, pouco abaixo dos 5,75m que deram o bronze ao francês Kevin Mènaldo em Londres.

Já no salto triplo, destaque para o norte-americano Christian Taylor, que assumiu a liderança do ranking mundial ao alcançar 17,78m em seu último salto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.