Oli Scarff / AFP
Oli Scarff / AFP

Americana que testou positivo para maconha não é convocada para os Jogos de Tóquio

Federação americana de atletismo divulga lista de convocados para a Olimpíada sem Sha'Carri Richardson

Redação, Estadão Conteúdo

06 de julho de 2021 | 20h08

Sha'Carri Richardson está fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A USA Track and Field (USATF), a federação de atletismo dos Estados Unidos, divulgou nesta terça-feira a lista dos que estarão na Olimpíada sem o nome da corredora, que testou positivo para maconha na semana passada. Com isso, ela não disputará o revezamento 4x100 metros e os 100 metros, prova na qual tinha chance de ganhar o ouro.

O teste positivo de Richardson anulou sua vitória na seletiva olímpica no mês passado em Oregon e, consequentemente, a vaga que havia conquistado em Tóquio nos 100 metros.

Sua suspensão de 30 dias terminará antes do início dos revezamentos em 5 de agosto, o deixara em aberto a possibilidade de ganhar uma medalha como parte da equipe de revezamento nos 4x100m. No entanto, a federação de atletismo americana optou por deixar a velocista de 21 anos fora da equipe. Ela é considerada uma das promessas do atletismo do país e era apontada como uma das favoritas ao ouro nos 100 metros, prova que tem sido dominada pela Jamaica.

Em Tóquio, Richardson tentaria ser a primeira mulher americana a vencer os 100 metros em uma Olimpíada desde Gail Devers, em Atlanta-1996. Em abril, a texana atingiu a marca de 10s72.

A maconha é proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês). Porém, se os atletas provarem que a ingestão da substância não teve relação com sua performance esportiva, a punição é reduzida de quatro anos para três meses. Além disso, a suspensão pode cair para apenas um mês se o competidor em questão estiver disposto a passar por um programa de tratamento aprovado, junto com a organização nacional antidoping.

Richardson testou positivo para um produto químico encontrado na maconha depois de sua vitória em 19 de junho. Ela disse que o estresse gerado pela morte recente de sua mãe biológica, combinado com a pressão de preparação para as provas, a levou a usar a droga.

"Eu estava definitivamente desencadeada e cega pelas emoções, cega pela maldade, e machucada, e escondendo a dor", justificou ela em entrevista ao programa Today Show, da emissora americana NBC. "Eu sei que não posso me esconder, então de alguma forma, eu estava tentando esconder minha dor".

O tema começou a ser discutido nas redes sociais, com argumentos a favor e contra a atleta. Enquanto alguns pensam que a corredora deveria se submeter às regras internacionais, outros defenderam Richardson, dizendo que a maconha é aprovada em mais de 19 estados americanos, incluindo em Oregon, onde se deu o doping. Ainda não existem provas de que a cannabis aumenta a performance dos atletas, apesar de ser uma substância proibida pelos órgãos responsáveis.

Nos Estados Unidos, algumas ligas profissionais, como NFL, NHL e NBA, reduziram muito a aplicação das regras em relação ao uso de maconha, com o reconhecimento de que a droga não melhora o desempenho. Contudo, o mundo olímpico continua a testar e punir o uso em algumas circunstâncias. De acordo com agência americana antidoping, além de substâncias que estimulam a melhoria do desempenho, a lista de banidos pode incluir drogas que podem representar riscos para a saúde dos atletas ou violar o "espírito do esporte".

Na semana passada, o presidente Joe Biden disse que embora estivesse orgulhoso da maneira como Richardson lidou com sua proibição entende que "regras são as regras".

Em um comunicado, a USATF disse que é "incrivelmente simpática às circunstâncias atenuantes de Sha'Carri Richardson" e "concorda plenamente" que as regras internacionais relativas à maconha devem ser reavaliadas. Mesmo assim, optou por selecionar outra atleta.

"Embora nosso mais profundo entendimento esteja com Sha'Carri, devemos também manter a justiça para com todos os atletas que tentaram realizar seus sonhos garantindo uma vaga na equipe olímpica de atletismo dos Estados Unidos", diz outro trecho do comunicado.

A USATF convocou seis velocistas para sua equipe feminina de revezamento 4x100m. As quatro primeiras colocadas dos 100m - Javianne Oliver, Teahna Daniels, Jenna Prandini e Gabby Thomas - automaticamente entraram para a equipe de revezamento. Além disso, foram selecionadas English Gardner e Aleia Hobbs, quinta e sexta colocadas na seletiva olímpica, para as duas últimas vagas.

Para tentar manter a sua vaga nos Jogos, a corredora pode recorrer à Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), que pode considera que a pena foi muito dura e reduzi-la ou até retirá-la.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.