Miriam Jeske/COB
Miriam Jeske/COB

Ana Patrícia e Rebecca passam por chinesas e estão nas quartas do vôlei de praia em Tóquio

Dupla brasileira vence por 2 sets a 0 adversárias até então invictas na competição

Redação, Estadão Conteúdo

01 de agosto de 2021 | 00h00

O Brasil já tem uma dupla do vôlei de praia entre as oito melhores dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ana Patrícia e Rebecca, classificadas como um dos dois melhores lugares na fase de classificação, passaram pelas então invictas chinesas Wang e Shia por 2 sets a 0, com parciais de 21/14 e 23/21, e garantiram a classificação às quartas de final.

Foi uma vitória gigante das brasileiras, diante de rivais que estavam invictas e não haviam perdido nenhum set sequer até então na competição. Faziam campanha perfeitas e ganharam, por exemplo, de 2 a 0 de Ágatha e Duda na primeira fase.

O ponto decisivo causou uma certa indignação nas chinesas. O levantamento delas foi ruim e Ana Patrícia desviou na rede para fechar a vitória no segundo match point da partida. As asiáticas reclamaram que não conseguiram tocar na bola para definir a jogada por causa de uma invasão da brasileira.

O árbitro garantiu que nada aconteceu de errado no lance e confirmou o belo triunfo verde e amarelo. Depois de um primeiro set perfeito e 21 a 14 no placar, a segunda parcial foi dura e o Brasil chegou a cometer erro que deixou as rivais com um set point: 20 a 19. Mas bons ataques com deixadas e força na defesa definiram a virada na parcial. Não conseguiram fechar com 21 a 20, mas aproveitaram a chance no 22 a 21.

As meninas vibraram muito, já que seguem mostrando superação em Tóquio. Sem muito tempo para treinos por causa das lesões na fase de preparação, Ana Patrícia e Rebecca temiam sofrer com a falta de ritmo na Olimpíada. Perderam duas vezes na fase de classificação, mas se garantiram com uma vitória e quatro sets vencidos, e agora deixaram uma forte dupla pelo caminho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.