Anistia Internacional realiza protesto contra a China

Na embaixada chinesa em Bruxelas, organização pede 'direitos humanos' no país sede dos Jogos Olímpicos

EFE

03 de maio de 2008 | 14h43

A Anistia Internacional (AI) promoveu uma manifestação em frente à Embaixada da China em Bruxelas para chamar a atenção sobre a situação dos direitos humanos no país organizador dos Jogos Olímpicos de 2008. O protesto reuniu pouco mais de mil pessoas e não registrou nenhum incidente. Os manifestantes exibiam cartazes com dizeres como "apoio para os direitos humanos na China". A manifestação contou com a participação de muitos tibetanos, segundo a imprensa belga. Eles carregavam bandeiras do Tibete, além de fotos de dissidentes e militantes presos pelo regime de Pequim. Segundo Philippe Hensmans, diretor da AI, embora a situação no Tibete mereça a atenção da opinião pública ocidental, o problema dos direitos humanos na China é muito mais amplo. "Quando a China foi escolhida em 2008 como a organizadora dos Jogos, pedimos às autoridades chinesas que aproveitassem para olhar pelos direitos humanos. Pedimos também que abolissem a pena de morte, acabassem com as detenções administrativas, os processos injustos, as detenções ilegais, a perseguição a militantes dos direitos humanos e a censura na internet", disse. No entanto, o dirigente reconhece que a menos de cem dias dos Jogos Olímpicos "houve poucos progressos".  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.