Jonne Roriz/ COB
Jonne Roriz/ COB

Aos 16, Stephanie Balduccini faz história na natação e quer brilhar em Tóquio

Estreante é a mais jovem nadadora brasileira a competir em Jogos Olímpicos desde Ricardo Prado, que tinha 15 anos em Moscou-1980

Redação, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2021 | 05h12

Quando cair na piscina do Tokyo Aquatics Centre, Stephanie Balduccini se tornará a mais jovem nadadora brasileira a competir numa Olimpíada desde Ricardo Prado. Com 15 anos, ele disputou os Jogos de Moscou-1980. Já em Tóquio, Stephanie tem 16 e não esconde a empolgação pela estreia numa edição dos Jogos.

"Não tenho palavras para descrever isso. Já estava muito feliz com a classificação aos 16 anos e fiquei ainda mais ao saber dessa marca. Não falei com ele depois que me classifiquei, mas ele me deu os parabéns na seletiva. Meus pais sempre me disseram que o Ricardo me elogiava nas competições", afirma Stephanie.

Ela já treina em dois períodos no Tokyo Aquatics Centre, de olho na prova do revezamento 4x100 metros livre, que disputará ao lado de Etiene Medeiros, Ana Vieira e Larissa Oliveira. E admite a surpresa com o tamanho da Vila Olímpica. "É uma experiência muito legal, poder conhecer outras pessoas. Quando entrei na Vila, fiquei surpresa com o tamanho. Estou muito contente em participar de um evento como esse e orgulhosa de representar o Brasil."

A carreira da jovem nadadora deu um salto em 2019 ao brilhar no Campeonato Brasileiro Juvenil. Ela venceu sete das dez provas que disputou e quebrou três recordes nacionais. Com a rápida ascensão, ela obteve o índice olímpico mesmo contando com apenas uma experiência internacional, ao disputar o Campeonato Sul-americano Juvenil.

"Foi um grande salto na carreira. Tomei um susto quando soube e pulei de alegria. Estava no meu clube e, depois do treino, fui para o vestiário, abri o celular e vi a confirmação da vaga. Liguei para os meus pais e para o meu namorado. Minha amiga que estava comigo me deu um presente. Está sendo tudo muito especial", lembrou a adolescente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.