Lionel BONAVENTURE / AFP
Lionel BONAVENTURE / AFP

Apontado como o maior de todos os tempos, ginasta Uchimura encerra carreira com queda em Tóquio

Japonês de 32 anos cai durante qualificação na barra fixa e não obtém classificação para as finais

Redação, Estadão Conteúdo

24 de julho de 2021 | 05h38

A carreira olímpica de Kohei Uchimura, apontado como o maior ginasta de todos os tempos, chegou ao fim na Olimpíada de Tóquio. O atleta japonês, de 32 anos, caiu durante a qualificação na barra fixa nesta sexta e não obteve classificação para as finais do evento a serem realizadas na segunda.

Uchimura, o medalhista de ouro geral em Londres-2012 e Rio-2016, além de detentor de dez pódios em mundiais (seis ouros), recebeu a pontuação 13.866, o que o colocou fora entre os oito finalistas. O astro, que lutou com várias lesões durante o ciclo olímpico, preferiu disputar a competição apenas na barra fixa. "Se os próximos Jogos não fossem em Tóquio, eu teria me aposentado", disse Uchimura, antes do início da Olimpíada.

Apesar da queda, Uchimura retornou para o aparelho e terminou sua apresentação sem repetir a falha, ficando apenas em 14º lugar. No dia 21, em treinamento, ele caiu no mesmo movimento. "Eu estava tão confortável, que relaxei", disse o atleta na época.

Uchimura acenou para os juízes e recebeu uma salva de palmas das poucas pessoas presentes ao Ariake Gymnastics Center antes de sair rapidamente de perto do aparelho. Seu olhar de tristeza, ao lado dos companheiros de equipe, já é uma das imagens inesquecíveis dos Jogos de Tóquio.

Uchimura nasceu em 3 de janeiro de 1989, na cidade de Kitakyushu, no sudoeste do Japão. Ele é filho dos ginastas Kazuhisa e Shuko Uchimura e entrou em um aparelho pela primeira vez aos 3 anos de idade. Sua mãe abriu um clube de ginástica em sua cidade natal, Isahaya, onde ele iniciou suas acrobacias. Quando completou 15 anos, mudou-se para Tóquio para treinar ao lado do campeão olímpico de 2004, em Atenas, Naoya Tsukahara. Três anos mais tarde entrou na seleção japonesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.