Issei Kato/Reuters
Issei Kato/Reuters

Após declarações machistas, presidente do Comitê de Tóquio deve renunciar, informa imprensa local

Saída de Yoshiro Mori, figura de responsabilidade máxima à frente da Olimpíada, pode ser oficializada nesta sexta, 12, após reunião de conselheiros e assessores

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2021 | 03h31

O presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, Yoshiro Mori, decidiu se demitir após a polêmica gerada por suas declarações machistas, durante uma reunião do comitê. A informação é da imprensa japonesa, divulgada nesta quinta-feira, 11. No último dia 3, ele disse que "mulheres falam demais", competem entre si de forma irritante e que as que trabalham no Comitê Organizador "sabem seu lugar".

Mori comunicou sua decisão de renunciar ao cargo a pessoas próximas à organização após as contínuas críticas que vem recebendo desde que os comentários ganharam repercussão na semana passada, disseram fontes próximas à emissora estadual NHK.

O ex-primeiro-ministro japonês, de 83 anos, falou sobre os supostos inconvenientes representados pela presença de mulheres em reuniões. "Ouvi alguém dizer que, se aumentarmos o número de mulheres no conselho, temos que regular o tempo de uso da palavra de alguma forma ou nunca terminaremos", disse ele ao ser questionado sobre os planos do Comitê Olímpico de aumentar o número de membros femininos de 20% para 40%.

Mori, que também mencionou o "grande senso de rivalidade" das mulheres, veio a público no dia seguinte ao início da polêmica para se desculpar e dizer que não renunciaria.

No entanto, a saída da figura de responsabilidade máxima à frente de Tóquio 2020 pode ser oficializada nesta sexta-feira, 12, quando um conselho de administração e assessores da comissão organizadora serão convocados para tratar do assunto

Entre as vozes que protestaram contra as declarações está a do Comitê Olímpico Internacional (COI), que as classificou de "absolutamente inapropriadas" e "em contradição" com a política do órgão.

As palavras de Mori também motivaram a retirada de centenas de voluntários japoneses inscritos para ajudar na organização dos Jogos e de corredores que iam participar do revezamento da tocha olímpica no Japão, cujo percurso está previsto para o fim de março./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.