Jonne Roriz/Exemplus/COB
Jonne Roriz/Exemplus/COB

Após estreia nos Jogos da Juventude, futsal quer vaga na Olimpíada de 2024

Seleção brasileira faturou a medalha de ouro ao vencer a Rússia sob os olhos do presidente do COI

Paulo Favero, enviado especial / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 18h34

O Brasil confirmou o favoritismo e se tornou campeão do futsal nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires. A equipe masculina ganhou da Rússia por 4 a 1 e agora todos os envolvidos esperam que a modalidade entre em definitivo no programa olímpico. Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), viu de perto a decisão.

Na premiação, os brasileiros presentes ajudaram a cantar o Hino Nacional no momento que a bandeira foi hasteada. Marta, eleita seis vezes a melhor jogadora de futebol do mundo, fez as honras na hora do pódio e entregou as mascotes para os medalhistas olímpicos - além dos dez atletas do Brasil, o elenco da Rússia e Egito.

"Se pensar em termos de entretenimento, o ginásio sempre estava lotado. A interação do público em todas as partidas foi muito grande. A qualidade do jogo foi boa, o duelo com a Argentina foi fantástico. Acho que o futsal passou no teste", comentou o técnico Daniel Junior. "As pessoas gostam, o produto é vendável, e quem pratica gosta muito. O pessoal da Fifa também achou isso", completou.

Quem cuida da modalidade nos Jogos Olímpicos é a Fifa. Foi ela quem estipulou o futsal para os Jogos da Juventude em Buenos Aires. Para os Jogos de Tóquio, em 2020, quem estará é o futebol de campo. "Espero que abra uma porta na Olimpíada para o futsal. Quem passou por aqui viu que a gente precisa", comentou o treinador brasileiro.

Bach assistiu ao jogo ao lado de Marta. Ao sair, apenas disse que foi "fantástico", mas evitou comentar sobre a possível entrada do futsal no programa. Se para Tóquio as definições já foram feitas, para os Jogos Olímpicos de 2024 e 2028, em Paris e Los Angeles, respectivamente, ainda serão definidas as modalidades. O futsal saiu de Buenos Aires com esperança, mas depende da Fifa.

Para Daniel Junior, o grupo sai da Argentina com a sensação de missão cumprida após a conquista do ouro. "Tínhamos o intuito de vencer, tivemos altos e baixos na competição, mas isso é fruto da falta de idade dos atletas. Tivemos jogos duros, mas conseguimos vencer e entregamos o resultado que queríamos", afirmou, esperando que a medalha ajude os garotos da seleção.

"Esses meninos já estão em grandes clubes, mas nessa idade existe a insegurança sobre o futuro. Estão no sub-20, mas não sabem se o clube vai aproveitar, se vão virar jogador. E tem várias outras coisas, o esporte, a namorada, o estudo. Acredito que esse título possa fortalecer o que eles querem. Muitos deles, desde o primeiro jogo com a Rússia, já começaram a receber propostas de empresários. Isso aqui tem uma grandeza e pode trazer muitos frutos para esses meninos aí", concluiu.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.