Após festa de irmão, Martine sobe para 6º no Mundial de 49er

Enquanto Martine Grael participava da oitava e última regata da primeira fase do Mundial de 49er, o irmão dela, Marco Grael, festejava em terra, em Buenos Aires, a classificação para disputar os Jogos Olímpicos pela primeira vez na carreira. Pouco antes, ele e Gabriel Borges garantiram a convocação olímpica para a classe 49er, encerrando a corrida interna brasileira.

Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2015 | 20h05

Martine e Kahena Kunze já estavam convocadas na 49erFX porque não têm rivais no País - sequer há outro barco brasileiro que participe de competições internacionais na mais nova classe olímpica da vela. As cariocas são as atuais campeãs mundiais e, em Buenos Aires, tentam o bicampeonato.

O ouro, entretanto, já ficou difícil. Após oito regatas, as dinamarquesas Ida Marie Nielsen e Marie Olsen seguem sobrando, com seis vitórias e apenas 11 pontos perdidos. As brasileiras subiram uma posição nesta quarta-feira, quando foram disputadas três regatas, e agora aparecem em sexto.

Elas abriram um dia com um quarto lugar, ficaram em oitavo na segunda regata e, já no fim da tarde, fecharam a quarta-feira com uma segunda posição. As brasileiras têm agora 34 pontos perdidos, na briga direta pela medalha, uma vez que o barco que vem em segundo, da Itália, soma 22. À frente delas, aliás, estão três duplas dinamarquesas, mas só uma vai à Olimpíada. A segunda fase terá 10 regatas, sem medal race.

Na 49er, Marco Grael e Gabriel Borges aparecem num surpreendente 14.º lugar ao fim da primeira fase e ficaram na flotilha ouro, ainda brigando pelo pódio. Eles têm 70 pontos perdidos, a 28 dos terceiros colocados.

A vaga olímpica veio porque Dante Biachi e Thomas Low-Beer, em 29.º, não ficaram dentro da flotilha ouro. Assim, Marco/Gabriel vai obter duas vitórias contra os rivais, uma vez que ficaram à frente deles também no Campeonato Sul-Americano, há duas semanas, também em Buenos Aires, e fechar a melhor de três.

"Sempre vi o meu pai disputando os Jogos Olímpicos e para mim era um sonho, algo que sempre desejei, mas que nunca tinha ficado tão perto. O sonho agora se concretiza, a ficha ainda não caiu. Estamos muito felizes, foi bem suado, trabalhamos muito para isso. Agora vamos nos concentrar no Mundial, que ainda não acabou. Estamos bem colocados, é o nosso melhor resultado em Mundiais até agora", afirmou Marco, de 26 anos, primogênito de Torben Grael.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.