Divulgação
Divulgação

Consumidores relatam falta de reembolso dos ingressos da Olimpíada após fim de prazo

Quem desistiu da entradas para a disputa da Olimpíada ainda aguarda estorno

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2016 | 09h22

Acabou na última quarta-feira, o prazo dado pelo Comitê Organizador Rio-2016 para reembolsar os 140 mil consumidores que fizeram a solicitação do estorno dos ingressos que compraram para o evento.

Os torcedores que haviam garantido os bilhetes, porém, desistiram, por qualquer motivo, tinham a opção de disponibilizá-los em uma plataforma online do próprio comitê. Desta maneira, em seu portal de ingressos, a organização se comprometeu a transferir em até 30 dias após o fim dos Jogos do Rio, as entradas que fossem revendidas.

Não foi esclarecido se o prazo era em relação aos Jogos Olímpicos ou Paralímpicos. Este último, terminou no dia 18 de setembro. Fato é, que diversas pessoas estão se sentindo lesadas e reclamando na página oficial da entidade no Facebook.

"Fui voluntária e realmente acreditei que seria um evento sério. Eu também não recebi os ingressos revendidos e durante as tentativas de contato tive várias respostas desencontradas, que seriam 30 dias depois da venda, que seriam 30 dias depois da Olimpíada, depois que seriam 30 dias depois dos Jogos como um todo, e agora nem atendem nem retornam o e-mail. Contato zero", desabafou Elena Cordeiro, que teve coro feito por outros usuários.

Revoltados com a situação, os consumidores criaram uma espécie de mensagem padrão para conseguirem ser ouvidos. "Por favor, devolvam nosso dinheiro obtido com a revenda pelo site da Rio 2016. Não repassaram o dinheiro pros clientes e encerram o canal de comunicação. Sumiram com nosso dinheiro sem dar satisfação!", diz a publicação.

Por outro lado, existem também aqueles que foram ressarcidos. "Não sei se fico aliviada ou mais angustiada em saber que outras pessoas não receberam. Uma amiga minha já recebeu. Ela foi daquelas que enviou o ingresso pelo correio para agilizar o recebimento", afirmou Daniela Muzi

Os usuários temem que a demora para a devolução do dinheiro esteja relacionada à má situação financeira do comitê, já que, em setembro, a Justiça bloqueou R$ 9,8 milhões da conta do Rio-2016 por dívidas com uma empresa ucraniana. Além disso, a organização ainda deve R$ 10 milhões para a Light.

No balanço divulgado dias após os Jogos, a entidade afirma ter vendido 95% da carga de 6,5 milhões de ingressos, gerando um lucro de R$ 1,2 bilhão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.