David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Após 'mentira' no Rio, Lochte é suspenso por dez meses

Atleta, ao lado de outros nadadores, inventou um assalto durante a Olimpíada

O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2016 | 22h44

O nadador norte-americano Ryan Lochte, que possui 12 medalhas olímpicas e conquistou um ouro nos Jogos Olímpicos do Rio, foi suspenso por dez meses por conta da mentira de que foi vítima de assalto no Rio de Janeiro – a polícia descobriu que a história contada por ele e por outros três nadadores era falsa.

Segundo a agência de notícias AFP, o site "TMZ" e o jornal USA Today confirmaram que o atleta foi suspenso pelo Comitê Olímpico dos Estados Unidos e pela confederação de natação do país até julho do ano que vem. A publicação afirma, também, que Lochte será banido do Mundial de natação, que acontecerá em 2017, em Budapeste, na Hungria.

Além de Lochte, os outros três nadadores envolvidos na confusão, Gunnar Bentz, Jack Conger e Jimmy Feigen, também serão suspensos, mas devem receber sanções menores, no máximo quatro meses. O anúncio oficial ainda não foi feito, mas o jornal americano afirma que um comunicado poderá ser emitido hoje. 

Mesmo após pedir desculpas e reconhecer o erro, Lochet perdeu quatro patrocínios logo após o fim dos Jogos. O nadador perdeu o apoio da Speedo, Ralph Lauren, Syneron-Candela (empresa de cosméticos) e Airwave (de colchões).

No dia 25 de agosto, Lochte foi indiciado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por falsa comunicação de crime, conduta que pode ser punida com prisão de um a seis meses. O inquérito foi concluído pela Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat) e encaminhado ao Juizado do Torcedor e dos Grandes Eventos, que vai decidir se instaura ou não o processo.

Na madrugada de 14 de agosto, após sair de uma festa e quebrar objetos enquanto urinava no banheiro de um posto de combustíveis, o nadador que conquistou medalha de ouro na prova olímpica de revezamento 4x200 metros se envolveu em um tumulto com seguranças do estabelecimento comercial. Depois, comunicou à polícia que havia sido assaltado. Ele estava acompanhado por outros três nadadores norte-americanos.

Ao investigar a denúncia, a polícia descobriu que Ryan Lochte havia mentido. O nadador voltou para os Estados Unidos em 15 de agosto, dia seguinte ao falso assalto. 

Lochte continua tentando evitar o assunto. Recentemente, Ryan Lochte também foi anunciado como participante de um tradicional programa nos Estados Unidos, o “Dancing with the Stars”, atração que reúne famosos em uma competição de dança.

“Eu quero apenas seguir em frente e espero que todo o mundo também siga em frente. Todos já estão enjoados e cansados de ouvir sobre isso. Sei que eu estou. Eu quero apenas seguir em frente. Nós estamos tentando superar. Essa história já se arrastou demais”, disse o nadador a um programa dos Estados Unidos no final de agosto. 

De acordo com a Forbes, a longo prazo, a mentira contada pelo atleta e seus companheiros custaram um prejuízo aproximadamente de R$ 10 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.