Diego Azubel / EFE
Diego Azubel / EFE

Thiago Braz leva bronze em Tóquio após superar contusões e 'rebuliço' na carreira

Brasileiro do salto com vara consegue marca de 5,87m para subir novamente no pódio olímpico; sueco Armand Duplantis é ouro e americano Cristopher Nilsen, prata

Raphael Ramos / Enviado especial / Tóquio, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2021 | 10h24

Campeão no salto com vara no Rio, Thiago Braz voltou a brilhar nos Jogos Olímpicos e faturou o bronze nesta terça-feira em Tóquio. O brasileiro não chegou à final como um dos principais favoritos, mas superou-se com um salto de 5,87m e garantiu o seu lugar no pódio em nova disputa emocionante com o francês Renaud Lavillenie, o mesmo com quem travou um duelo acirradíssimo há cinco anos no Engenhão, Rio.

O ouro ficou com sueco Armand Duplantis (6,02m). Já a prata foi para o americano Cristopher Nilsen (5,97m).

Foi o segundo bronze do atletismo brasileiro em Tóquio. Antes, Alison dos Santos havia ficado em terceiro lugar nos 400m com barreiras. A prova de Alison foi pela manhã (horário de Tóquio), mas a cerimônia do pódio para a entrega da medalha só ocorreu à noite no Estádio Olímpico, já em meio à final do salto com vara de Thiago Braz.

O bronze de Thiago Braz veio na base da superação. Depois do ouro no Rio, quando saltou 6,03 metros e bateu o recorde olímpico, a expectativa era de que a carreira de Thiago continuasse em ascensão, mas não foi isso que aconteceu. O próprio atleta chegou a afirmar que a sua vida virou "um rebuliço". Até 2018, ele mesmo considerou que foram dois anos perdidos em relação ao seu aproveitamento técnico.

Problemas físicos também o atrapalharam muito nesse ciclo olímpico até o bronze em Tóquio. Com lesões nas costelas e na panturrilha, ele não competiu, por exemplo, no Campeonato Mundial de 2017 em Londres. Dois anos depois, disputou o Mundial de Doha, no Catar, com dores musculares na panturrilha que o prejudicaram.

Thiago Braz começou a decisão desta terça-feira passando com certa facilidade pela marca dos 5m55. Quando chegou o momento de saltar os 5m80, ele acabou falhando na primeira tentativa. Na sequência, aí sim passou pelos 5m80 e avançou para os 5m87, uma marca que ele ainda não havia saltado esse ano.

O salto que lhe garantiu o bronze foi “no limite”. Ele deu uma leve encostada com a barriga no sarrafo, mas passou sem derrubá-lo e vibrou muito. Vários atletas não conseguiram passar dessa altura. Foram os casos do grego Emmanouíl Karalís, do americano KC Lightfoot e do britânico Harry Coppel.

Em uma prova de altíssimo nível técnico, Duplantis pediu para saltar direto nos 5m92 e aumentou a pressão em cima dos adversários. Restaram, então, quatro atletas na disputa por três medalhas: Thiago Braz, Renaud Lavillenie (França), Cristopher Nilsen (Estados Unidos) e Armand Duplantis (Suécia). Lavillenie, que havia se lesionado durante o aquecimento, não pôde competir 100% fisicamente e acabou falhando em todas as demais tentativas, abrindo caminho para Thiago Braz no pódio.

O brasileiro também não passou dos 5m92. Mesmo assim, garantiu o bronze. Depois, restaram apenas Duplantis e Nilsen na disputa, quando o sueco “sobrou” na conquista do ouro com 6,02m, apenas um centímetro abaixo do recorde olímpico obtido por Thiago Braz há cinco anos. O sueco ainda tentou quebrar o seu próprio recorde de 6,18m, mas não passou pelo sarrafo em duas tentativas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.