Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Após pagar multa, último nadador norte-americano embarca de volta aos EUA

James Feigen tem que desembolsar R$ 35 mil para voltar ao seu país

Estadão Conteúdo

20 de agosto de 2016 | 01h30

Após pagar multa de R$ 35 mil, o nadador norte-americano James Feigen embarcou na noite desta sexta-feira de volta para os Estados Unidos. Dos quatro atletas envolvidos no caso do falso assalto no Rio de Janeiro, ele foi o último a deixar o Brasil. Gunnar Bentz e Jack Conger haviam viajado na noite passada e Ryan Lochte embarcara ainda na segunda-feira.

Para ser liberado para viajar, Feigen fechou acordo na Justiça para se livrar de um eventual processo criminal por falsa comunicação de crime e ter de volta o seu passaporte. O atleta havia acertado pagamento de R$ 35 mil de multa. Poucas horas depois, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro entrou com recurso para ampliar o valor da multa para R$ 150 mil. A ação, contudo, não impediu a viagem do nadador.

O dinheiro será doado ao Instituto Reação, ONG voltada para atletas em comunidades carentes, formador da judoca Rafaela Silva, medalhista de ouro no Rio-2016. Feigen também pediu desculpas pelo transtorno.

Feigen foi um dos quatro atletas dos Estados Unidos envolvidos em um incidente em um posto de gasolina na Barra da Tijuca, na madrugada do último domingo. O caso ganhou repercussão internacional porque foi relatado inicialmente como assalto pelos atletas. Mas a polícia do Rio desconstruiu a versão dos norte-americanos e revelou que se tratou de uma confusão dos atletas com frentistas do posto de gasolina.

Em depoimento à polícia, Gunnar Bentz e Jack Conger confessaram que inventaram a história do assalto, supostamente articulada por Ryan Lochte, para preservar o relacionamento conjugal de um deles. O jovem - não foi identificado qual - teria "ficado" com uma jovem em uma festa na Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul, naquela noite.

O caso não se resumiu à mentira dos atletas. Eles foram acusados de atos de vandalismo no banheiro do posto de gasolina. Sob efeito de álcool, teriam urinado em paredes, destruíram uma placa de propaganda e itens do banheiro, como uma papeleira e uma saboneteira.

Diante da repercussão, o Comitê Olímpico dos Estados Unidos pediu desculpas publicamente pelos atos dos nadadores e ameaçou puni-los. O Comitê Olímpico Internacional (COI) também avalia possível sanção aos atletas. Nesta sexta, Lochte veio a público para pedir desculpas, que foram aceitas tanto pelo COI quanto pelo Comitê Rio-2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.