Após perda de contratos, Ryan Lochte tenta melhorar sua imagem

Nadador relatou falso crime no Rio e com isso perdeu quase R$ 10 milhões em patrocínio

Sergio Neto, Estadão Conteúdo

31 Agosto 2016 | 19h38

A Olimpíada no Rio de Janeiro foi, de fato, um divisor de águas na vida e na carreira do nadador americano Ryan Lochte. Por um lado, o atleta de 32 anos conquistou uma medalha de ouro no revezamento 4x200m livre. Contudo, com a glória surgiu a polêmica em que se envolveu ao relatar um falso crime na noite em que comemorava o triunfo.

Porém, por mais que Lochte tenha ficado com sua imagem arranhada por conta dos problemas que teve no Brasil, há ainda quem utilize de sua imagem para fins publicitários. Com isso, surgiram algumas propostas que estão ajudando-o a se recuperar aos poucos. Primeiramente, surgiu a notícia de que Lochte teria sido contratado como garoto-propaganda de uma empresa de pastilhas de garganta. Posteriormente, o nadador gravou uma propaganda de televisão sobre alarmes portáteis. No vídeo, divulgado pelo próprio nadadoratravés de uma de suas redes sociais, Lochte diz que tem viajado muito recentemente e que gosta de se divertir e é uma boa ideia manter-se seguro. 

 

Excited to partner with @robocopp

Um vídeo publicado por Ryanlochte (@ryanlochte) em

E não pára por aí. Recentemente, Ryan Lochte também foi anunciado como participante de um tradicional programa nos Estados Unidos, o "Dancing with the Stars", atração que reúne famosos em uma competição de dança.

O caso então tomou proporções maiores e Lochte chegou a perder seus principais patrocinadores, grandes empresas como a Speedo, marca de produtos relacionados à natação, e Ralph Lauren, grande nome no setor de vestuário. De acordo com a Forbes, a longo prazo, a mentira contada pelo atleta e seus companheiros custaram um prejuízo aproximadamente de RS 10 milhões.

Lochte colhe os frutos da mentira que contou enquanto estava no Rio de Janeiro. Perdeu importantes contratos, assinou alguns outros, participa de espetáculos de TV, mas seus problemas ainda continuam. Na última segunda -feira, em entrevista a um programa americano, o atleta indiciado declarou que não virá ao Brasil para depor. A ausência de Lochte não irá interferir a continuidade do processo.

"Eu quero apenas seguir em frente e espero que todo o mundo também siga em frente. Todos já estão enjoados e cansados de ouvir sobre isso. Sei que eu estou. Eu quero apenas seguir em frente. Nós estamos tentando superar. Essa história já se arrastou demais", disse o nadador a um programa dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.