Matt Dunham|AP
Matt Dunham|AP

Após Pistorius, saltador Markus Rehm quer disputar uma Olimpíada

Paratleta tem números melhores do que o atual campeão olímpico

Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2016 | 05h00

Na última edição do Mundial de Atletismo Paralímpico, que aconteceu em Doha, no Catar, no ano passado, o alemão Markus Rehm se tornou o centro das atenções e reacendeu uma velha discussão. Ele, que não tem a perna direita desde a adolescência (vítima de um acidente de barco), conseguiu o ouro na prova de salto em distância ao atingir impressionantes 8,40m, marca que o daria o ouro na Olimpíada de Londres, em 2012. Na ocasião, o britânico Greg Rutherford saltou 8,31m para ficar com o título olímpico.

A reação foi inevitável: rapidamente, iniciou-se uma campanha para que Rehm participasse dos Jogos Olímpicos do Rio, para disputar medalhas com atletas sem deficiência. Em 2014, Markus chegou a ser campeão alemão de atletismo na prova do salto em distância. Mesmo assim, continua desconsiderado pelo Comitê Olímpico Alemão e pela IAAF, a Federação Internacional de Atletismo, quando se trata de uma possível participação no Rio-2016.

"Eu quero competir contra atletas sem deficiência, mas eu não queria ter que enfrentar os tribunais. Eu só quero trazer uma maior proximidade entre os paratletas e os atletas olímpicos. Eu olho para o ranking mundial, e no quanto eles podem ir longe e até onde eu consigo ir, que é definitivamente o que eu estou procurando", disse Rehm à agência AFP logo após a marca de 8,40m no Mundial Paralímpico de Doha. Na hora de saltar, ele se apoia justamente na perna direita, que possui a prótese.

Markus também é um atleta que faz parte do Team Össur e tem suas próteses desenvolvidas pela empresa. O diretor da fabricante no Brasil, Jairo Blumenthal, por sua vez, se mostra otimista com a possibilidade do alemão de disputar os Jogos Olímpicos: “O Markus é o possível próximo atleta paralímpico a poder competir com os atletas sem deficiências. Ele está na fase de tentar ganhar o direito que o permitiria disputar com os demais. Ele é dono de marcas absolutamente impressionantes, um fenômeno, assim como o Alan e o Oscar. Isso ajuda muito a desmistificar essa questão do deficiente físico, mostrando que ele nada mais é do que um atleta em potencial que, com o equipamento adequado, tem chance de competir em igualdade com os demais”, afirma.

De qualquer forma, Rehm sabe que não pode deixar esta indefinição atrapalhar sua preparação para os Jogos Paralímpicos de 2016, em que ele espera quebrar seu recorde: "Os próximos seis meses serão de muito trabalho, treinar duro e pensar nos Paralímpicos", afirmou o alemão em fevereiro ao Comitê Rio-2016, quando esteve na cidade para um evento na Praça Mauá, em que venceu os atletas sem deficiência. Atualmente, Markus trabalha com sua equipe em argumentos a serem apresentados à IAAF.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos OlímpicosOlimpíadaAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.