The Japan Sports Council/AP
The Japan Sports Council/AP

Tóquio revela projetos para construção de estádio olímpico

Conselho de Esportes diz que vencedor será escolhido neste mês

Estadão Conteúdo

14 de dezembro de 2015 | 10h41

Dois grupos competem pelo lucrativo contrato para a construção do novo estádio olímpico de Tóquio. O Conselho de Esportes do Japão apresentou os projetos nesta segunda-feira e disse que o vencedor será escolhido ainda neste mês. O órgão não identificou quais as empresas propuseram os projetos.

Os dois projetos são mais discretos do que o plano original, da arquiteta iraquiana Zaha Hadid, que foi cancelado devido à controvérsias, principalmente em relação ao seu custo. "Nós vamos trabalhar para garantir um estádio que será amado por todos", disse Kazumi Daito, presidente do Conselho de Esportes, ao anunciar os planos, que ele disse que vai priorizar os atletas e também enfatizará a acessibilidade para os deficientes, idosos e crianças.

O trabalho de construção do estádio, com capacidade para 80 mil espectadores, acabou sendo adiado, o que provocou um grande embaraço para os organizadores da Olimpíada de Tóquio, além de temores sobre o tempo de conclusão das obras.

O "Projeto A" possui uma cobertura relativamente plana e se encaixa com a vegetação circundante, com arbustos ao longo da parte externa e uma altura de 50 metros. A estrutura de aço e madeira ecoa lembranças de projetos tradicionais e possui um centro esportivo abaixo da superfície. O custo é estimado em 153 bilhões de ienes.

O "Projeto B", com 54,3 metros de altura, possui paredes exteriores de vidro e se destina a refletir os tradicionais conceitos asiáticos dos elementos madeira, fogo, terra, metal e água. O seu custo estimado é de 153,7 bilhões de ienes.

Ambos os projetos garantem a conclusão das obras até 30 de novembro de 2019. A nova arena vai substituir o Estádio Nacional, que foi construído no final dos anos 1950 e foi o palco principal da Olimpíada de 1964.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.