AFP PHOTO/ Leon Neal
AFP PHOTO/ Leon Neal

Após prata na Olimpíada, Ágatha e Bárbara Seixas encerram dupla

Apesar de boa campanha, as duas decidiram seguir rumos diferentes para a carreira

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2016 | 12h51

Prata no vôlei de praia na Olimpíada do Rio, a dupla Ágatha e Bárbara Seixas encerrou a parceria. A separação foi uma decisão de Bárbara, que já tem uma nova parceira. A revelação foi feita nesta segunda-feira por Ágatha, durante programa da TV Globo. A jogadora parecia abatida com a separação e ainda desnorteada sobre seu futuro.

"Então, eu tenho uma notícia que não é muito legal. Na verdade eu não sei o que vou fazer agora, em seguida, porque no sábado a Bárbara me chamou para conversar e ela abriu o nosso time. A gente não vai continuar juntas", disse.

Segundo Ágatha, o fim da parceria foi uma opção profissional da ex-parceira, que já teria formado uma nova dupla. "Eu estou sem parceira, sem técnico, sem nenhum lugar para treinar. Mas eu vou correr atrás, não estou me fazendo de coitadinha aqui não", disse à TV Globo.

O técnico da dupla era Ricardo de Freitas, marido de Bárbara. Ágatha esperava descansar agora, após anos de dedicação aos treinos para se classificar e depois disputar com êxito os Jogos do Rio.

"Agora, que a gente conquistou o nosso objetivo, que era estar na Olimpíada e conquistar uma medalha, achei que a gente fosse poder colher os frutos e até descansar mentalmente, porque o desgaste mental é muito forte. Para mim foi até mais mental do que físico para você ter uma ideia. Você tem que se manter muito forte, muito agressiva dentro de quadra, muito focada o tempo todo. Infelizmente, eu não vou poder ter esse descanso. Eu, agora, vou ter que correr atrás de uma nova parceria, vou ter que traçar novos objetivos", disse.

Ágatha deve tentar achar uma nova parceira para jogar o Circuito Brasileiro, que tem sua primeira etapa marcada para o final de setembro, em Campo Grande (MS). Além da prata olímpica, elas também foram campeãs mundiais em 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.