Após recorde, equipe olímpica britânica é recebida com festa em retorno

Delegação conquistou melhor campanha na história, ficando atrás apenas dos EUA no quadro de medalhas

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2016 | 12h24

Em um avião com o bico dourado e a inscrição "vitoRIOsos" em inglês, a equipe olímpica da Grã-Bretanha voltou para casa nesta terça-feira, sendo recebida com festa após bater o seu recorde de medalhas nos Jogos realizados no Brasil.

Max Whitlock e Nicola Adams, que ganharam três das 27 medalhas de ouro da Grã-Bretanha no Rio, foram os primeiros atletas olímpicos a surgir no desembarque em Londres, no Aeroporto de Heathrow, e ficou no topo das escadas como o restante da equipe saindo sob gritos e aplausos. Crianças, amigos, familiares e simpatizantes dos atletas estavam com bandeiras para receber a equipe de 320 atletas, seus treinadores e também dirigentes.

A Grã-Bretanha ganhou 67 medalhas e terminou em segundo lugar na classificação geral, atrás dos Estados Unidos, e se tornou o primeiro país a melhorar o número total de conquistas, de 67 para 65, após sediar uma edição dos Jogos Olímpicos. Mais de 35% da equipe britânica ganhou medalha no Rio.

A remadora Katherine Grainger, que ganhou uma prata e subiu ao pódio pela quinta edição consecutiva da Olimpíada, disse que o sucesso da equipe da Grã-Bretanha ajuda a recuperar uma nação que acabou se sentindo dividida após a votação para deixar a União Europeia em junho.

"Sinto que foi um ano difícil para o país, muito aconteceu politicamente no país nos últimos meses", disse Grainger. "Eu acho que a coisa boa do esporte é que faz as pessoas se unirem. Então, sim, eu acho que nesse momento, foi um dos melhores Jogos Olímpicos, o melhor evento esportivo que nós provavelmente já tivemos".

Publicações nas redes sociais mostraram os membros da equipe britânica celebrando durante o voo, com muitos deles consumindo champagne - foram 77 garrafas disponibilizadas no avião - e também cantando o Hino Nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.