Após sequência de lesões, Paulo Roberto de Paula mira índice na maratona

Em seus três primeiros anos como maratonista, Paulo Roberto de Paula foi oitavo colocado nos Jogos Olímpicos de Londres-2012 e sétimo no Mundial de Moscou, em 2013, se credenciando como um dos grandes nomes da distância. Mas, prejudicado por conta de uma série de lesões, o fundista de 36 anos está há mais de dois anos sem completar uma prova - exatamente desde o bom resultado em Moscou.

Estadão Conteúdo

03 Novembro 2015 | 15h45

A próxima oportunidade de reverter esse cenário será na Maratona de Fukuoka, no Japão, no dia 6 de dezembro, onde correrá como convidado da organização. Neste ano, ele se machucou na véspera da Maratona de Viena (Áustria), em abril, e desistiu no meio da prova em Praga (República Checa), em maio. Na temporada passada, sentiu lesão no 40.º quilômetro em Frankfurt (Alemanha).

Para tentar voltar a completar uma prova, e com tempo expressivo, Paulo Roberto deixou os treinos em Portugal e voltou ao Brasil para treinar em Presidente Prudente (SP). "Eu mudei meu tipo de treinamento. Estou correndo menos quilometragem, encurtando os treinos de 30km antes das maratonas, que antes era de seis a sete semanas, e hoje é de quatro. Acredito que o excesso estava me levando a ter as contusões", avalia o corredor.

Como a meta é estar nos Jogos Olímpicos do Rio, Paulo Roberto precisa correr em Fukuoka abaixo de 2h16min35s. Ainda que o índice seja 2h17min00s, só três brasileiros irão à Olimpíada na Maratona. Atualmente, o terceiro do ranking é Franck Caldeira, com o tempo de 2h16min35s que fez em Frankfurt, na semana passada.

A liderança da lista é de Marilson Gomes dos Santos, que correu a Maratona de Hamburgo em 2h11min00s. Solonei Rocha da Silva vem em segundo, com a marca de 2h13min15s feita em Milão. De 2008 para cá, só Marilson, Solonei, Franck e Paulo Roberto correram baixo de 2h14min, o que faz dos quatro os concorrentes às três vagas no Rio.

Mais conteúdo sobre:
atletismo maratona Paulo Roberto de Paula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.