Gustavo Aleixo/ Cruzeiro EC
Gustavo Aleixo/ Cruzeiro EC

Após sequência negativa na Série B, Mozart pede demissão e deixa o Cruzeiro

Treinador obteve apenas duas vitórias desde sua estreia na equipe; Luxemburgo é favorito para assumir posto

Redação, Estadão Conteúdo

31 de julho de 2021 | 00h32

Após completar nove jogos sem vitória na Série B do Campeonato Brasileiro nesta sexta-feira à noite, no empate com o Londrina, por 2 a 2, Mozart Santos se reuniu com a diretoria, pediu demissão e não é mais o treinador Cruzeiro. Foram apenas duas vitórias no comando do time desde a sua chegada.

Há algum tempo o treinador vinha mostrando seu descontentamento com a campanha e o rendimento do time. Tanto é que o executivo de futebol, Rodrigo Pastana, chegou a fazer contato com Vanderlei Luxemburgo, justamente prevendo a eminente saída de Mozart.

O agora ex-técnico foi anunciado pelo Cruzeiro em 10 de junho para substituir Felipe Conceição. Sua contratação foi um pedido do próprio executivo Pastana, com quem o treinador havia trabalhado na temporada passada no CSA.

Em 13 jogos, Mozart conquistou apenas duas vitórias (Ponte Preta e Vasco), empatou sete vezes (Brasil-RS, Guarani, Botafogo, Goiás, Coritiba, Vila Nova e Londrina) e perdeu outras quatro (Avaí, Remo, CSA e Operário), resultando em um aproveitamento de apenas 33,3%.

Outro número que ligou o sinal de alerta é que o Cruzeiro tem a pior defesa da Série B, tendo sofrido 25 gols em 15 jogos disputados. O time não sofreu gols em apenas quatro partidas.

Pela segunda vez sem técnico na Série B, agora o Cruzeiro terá que correr contra o tempo nos bastidores. Naturalmente, Vanderlei Luxemburgo é o nome da diretoria cruzeirense, com quem inclusive já conversou nas últimas semanas. A crise financeira não é empecilho por um eventual acerto.

Com o empate desta sexta, o Cruzeiro ficou em 16.º lugar com 13 pontos. Um ponto a mais que o Vitória, primeiro time na zona de rebaixamento e que ainda jogará no final de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.