Após tragédia, técnico dos EUA se emociona com ouro do vôlei

Hugh McCutcheon teve o sogro assassinado e a sogra esfaqueada durante um passeio turístico em Pequim

LUCY HORNBY, REUTERS

24 de agosto de 2008 | 07h24

Hugh McCutcheon, o técnico da seleção masculina de vôlei dos Estados Unidos que foi medalha de ouro neste domingo, disse que a conquista não deve ficar na sombra do assassinato de seu sogro durante os Jogos de Pequim. No fim do jogo, McCutcheon desmoronou.   Veja também:A campanha brasileira na Olimpíada de Pequim  EUA vencem de novo e Brasil fica com a prata no vôlei Seleção brasileira de vôlei não esconde decepção pela derrota Bernardinho nega fracasso na seleção masculina de vôleiO treinador finalmente conseguiu liberar a emoção, quando os Estados Unidos marcaram o último ponto contra o Brasil, em um jogo equilibrado. Ele deixou a quadra por um momento, mãos na cabeça, e foi até um corredor para se recompor, depois de algumas semanas "surreais". "Estou sofrendo muito pela perda do meu sogro. Estou com o coração apertado por causa da minha mulher, por minha família. Por outro lado, também estou tremendamente orgulhoso e alegre por minha equipe", disse McCutcheon a repórteres. "Esses são os sentimentos que estou carregando e os dois são um pouco conflituosos, claro. Não posso mudar o que aconteceu, só posso aceitar e tentar levar isso da melhor forma." O time dos Estados Unidos passou a jogar em apoio a McCutcheon depois do assassinato do sogro e das facadas que a sogra recebeu durante um passeio turístico, por um chinês que depois cometeu suicídio. O incidente aconteceu em Pequim no primeiro dia dos Jogos. McCutcheon, que é neozelandês, está no comando do time norte-americano desde 2005 -- tinha sido assistente quatro anos antes, em Atenas, quando a equipe terminou em quarto lugar. Em Pequim, ele esteve fora do banco nos primeiros jogos, para ficar com sua família. Ele esteve empenhado em desenvolver o trabalho de conjunto e uma nova identidade para o time masculino, que ainda estava na sombra das conquistas dos anos 80. Os Estados Unidos foram ouro em Los Angeles-1984 e Seul-1988, e a partir daí não conseguiram outra medalha além do bronze em Barcelona-1992. A mulher de McCutcheon, ex-jogadora de vôlei, fez questão que o marido voltasse a dirigir a equipe, quando o estado de sua mãe se estabilizou. O time, que teve um início de competição difícil com a ausência de McCutcheon, juntou os cacos para uma briga dura contra os então atuais campeões olímpicos na final, vencendo por 3 sets a 1. "É o que você deve celebrar", disse . "Este time, que um ano atrás provavelmente ninguém dava nada para a Olimpíada, se levantou e provou que as pessoas estavam erradas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.