Richard Callis / SPP / CBF
Richard Callis / SPP / CBF

Após últimos jogos antes de Olimpíada, Andressinha está ansiosa por lista de Pia

Seleção brasileira feminina de futebol vai brigar pelo inédito ouro em Tóquio

Redação, Estadão Conteúdo

15 de junho de 2021 | 09h44

A seleção brasileira feminina de futebol empatou sem gols com o Canadá, na segunda-feira, em Cartagena, na Espanha, no último teste antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Em comparação ao último duelo diante da Rússia, quando venceu por 3 a 0, o grupo encontrou dificuldades de encontrar espaços na defesa canadense. No entanto, o setor defensivo mostrou solidez e evolução.

A meia-campista Andressinha avaliou esses dois jogos da seleção da Olimpíada. "Foi um período muito importante com jogos, o que fez ser mais importante ainda. Tive a oportunidade de começar as duas partidas, mostrar mais uma vez o meu trabalho e da minha equipe também. Acredito que tivemos bons resultados, hoje boas chances, assim como elas. O jogo terminou empatado, mas ficamos muito próximas da vitória e acho que fizemos uma boa preparação", declarou.

Para essas duas partidas, a técnica sueca Pia Sundhage levou um grupo com 25 atletas, mas para a Olimpíada só poderá chamar 18 jogadoras. A lista final será divulgada nesta sexta-feira, mas Andressinha confessa certa ansiedade.

"A ansiedade é muita, estamos na expectativa. Sabemos que muitas meninas passaram pelas convocações e apenas dezoito irão. E nós, de linha, contamos que são dezesseis, são pouquíssimas que irão, então, estou super ansiosa pela lista", disse.

A treinadora afirmou anteriormente que as suas escolhidas deverão sair do grupo que está na Espanha, mas ainda existe a possibilidade de surpresas. O Brasil está no Grupo F dos Jogos Olímpicos e tem estreia marcada diante da China, no dia 21 de julho. Três dias depois, a equipe enfrentará a Holanda e fecha a fase de grupos contra a Zâmbia, no dia 27.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.