Wander Roberto/Inovafoto/CBV
Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Uniformes do vôlei para a Olimpíada são alvos de críticas

Usuários das redes sociais ficaram indignados com o material esportivo lançado pela Olympikus

Estadão Conteúdo

19 de abril de 2016 | 15h36

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e a sua fornecedora de material esportivo, a Olympikus, apresentaram nesta terça-feira, em Saquarema (RJ), o uniforme que as seleções de vôlei e vôlei de praia usarão nos Jogos Olímpicos do Rio. Nas redes sociais, a roupa já é alvo de diversas críticas.

"Coisa horrorosa! Vocês não deram uma olhada antes de liberar o lançamento?", postou uma internauta citando a CBV. "Cancela esse projeto de uniforme, por favor", escreveu outra usuária do Twitter. "Horríveis. Péssimos e de muito mau gosto", criticou um perfil no microblog, em referências aos uniformes de praia. Nos perfis da CBV no Instagram e no Facebook, as críticas também são quase unânimes.

No masculino, um é majoritariamente amarelo com bermuda azul e o outro tem predominância de verde. Mas as três cores da bandeira nacional aparecem em diversos tons e nos mais diversos desenhos em todo o uniforme. A Olympikus explica que eles têm como inspiração "o conceito do Big Bang, representando a explosão gerada a partir da união dos atletas brasileiros".

As equipes de quadra terão um uniforme amarelo com shorts azul e um conjunto completo verde musgo. Os dois têm detalhes nas demais cores da bandeira no lado direito da bacia. O terceiro uniforme é azul.

O que mais chamou a atenção, porém, foram os uniformes de treino azuis, facilmente comparados com pijamas. Mari Paraíba e Serginho Escadinha foram os modelos dessas roupas. Murilo, Fabiana e Sheilla usaram os uniformes de jogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.