Ar melhora em Pequim; Anistia aponta violação de promessas

A névoa que durante dias cobriu Pequimse dispersou graças à chuva na terça-feira, a dez dias para oinício da Olimpíada, mas no mesmo dia uma outra nuvem,simbólica, se formou sobre o governo, na forma de um incisivorelatório da Anistia Internacional a respeito dos direitoshumanos na China. A crônica poluição atmosférica de Pequim -- resultado dapoeira de obras, de resíduos industriais e da fumaça deveículos -- é uma das maiores preocupações dos organizadores,que adotaram medidas especiais para melhorar a qualidade do ar. Já está em vigor um rodízio que proíbe metade dos 3,3milhões de veículos da cidade de circularem a cada dia, além deuma desativação temporária de muitas fábricas nos arredores dacidade. As autoridades não descartam outras medidas, ainda nãodefinidas. Du Shaozhong, vice-diretor do Escritório de ProteçãoAmbiental de Pequim, disse que a névoa, embora reduza avisibilidade, não é sinônimo de poluição. "Não aprovamos o uso de fotos para uma avaliação daqualidade do ar. É preciso olhar o sistema completo demonitoramento e olhar os dados cientificamente", disse Du ajornalistas. "Nuvem e neblina não são poluição. Este tipo de clima é umfenômeno natural, e nada tem a ver com a poluição", insistiu. Ele negou rumores, divulgados no estatal Diário da China,de que até 90 por cento dos veículos poderiam ser tirados decirculação a cada dia. Ainda há relativamente poucos atletas em Pequim, a maioriase preparando para provas em recintos fechados ou que nãoexijam resistência -- ou seja, eventos em que a poluição seriamenos nociva. Funcionários dos comitês olímpicos dizem estar atentos àsituação. "É uma preocupação, mas é a mesma coisa para todos",disse Julian Jones, da delegação australiana. O Comitê Olímpico Internacional (COI) diz que vai remarcareventos como a maratona se, uma hora antes do início, apoluição estiver ameaçando a saúde dos atletas. A situação é ruim não só em Pequim. Hong Kong, sede dasmodalidades equestres, registrou na segunda-feira a piorqualidade do ar na sua história. Na terça-feira, era difícilenxergar o outro lado da baía local. DIREITOS Também de Hong Kong veio mais um golpe para a propagandaolímpica oficial, na forma de um relatório da Anistia acusandoo regime comunista chinês de ter descumprido as promessas deliberdade que fez para receber os Jogos. A Anistia disse que a China está coagindo ativistas,jornalistas e advogados a "silenciarem a dissidência" antes dosJogos. A Anistia Internacional divulgou na segunda-feira umrelatório em que aponta uma piora da situação dos direitoshumanos na China nos últimos sete anos e diz que o paísdescumpriu as promessas que fez para receber a Olimpíada. A entidade fez uma avaliação sombria dos direitos humanosna China desde 2001, quando Pequim foi escolhida para o evento.Na época, o regime comunista prometeu adequar os direitoshumanos aos ideais olímpicos. "Não houve progresso no sentido de cumprir tais promessas,só uma contínua deterioração", disse a Anistia no relatóriointitulado "A contagem regressiva olímpica -- promessasvioladas". "As autoridades usaram os Jogos Olímpicos como pretextopara continuar e em alguns aspectos intensificar as políticas epráticas existentes, que levaram a sérias e disseminadasviolações dos direitos humanos", disse o relatório, divulgadoem Hong Kong na manhã de terça-feira (segunda à noite noBrasil). Um porta-voz chinês afirmou que o relatório é produto dehabituais distorções. "Esta é uma declaração com a qual ninguémque conhece a China pode concordar", afirmou. (Reportagem adicional de Chris Buckley, Lindsay Beck e GuoShipeng em Pequim, James Pomfret em Hong Kong e Naoto Okamuraem Tóquio)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.