Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
COB/Divulgação
COB/Divulgação

Atletas brasileiros do tiro com arco testam Sambódromo no Rio

Marcus Vinícius será um dos 128 participantes do evento-teste

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2015 | 02h02

Uma das apostas de medalha do Comitê Olímpico do Brasil nos Jogos do Rio-2016, o tiro com arco brasileiro começará a testar na terça-feira boa parte do desafio que terá pela frente na Olimpíada do próximo ano. Assim como nos Jogos, o evento-teste da modalidade será disputado no sambódromo do Rio. É lá que se apresentarão alguns dos principais atletas do mundo na próxima semana em busca do dez.

Essa é a pontuação que o atleta alcança toda vez que acerta o centro do alvo, posicionado a 70 metros de distância. E o principal arqueiro brasileiro na atualidade, Marcus Vinícius D'Almeida, fez isso nada menos do que 34 vezes na quarta-feira passada, durante a fase de classificação da etapa de Medelín da Copa do Mundo. Os acertos na Colômbia ajudaram Marcus Vinícius, de apenas 17 anos, a alcançar 670 pontos após 72 tiros. É o novo recorde brasileiro.

Marcus Vinícius será um dos 128 competidores esperados a partir desta terça. São 64 homens (61 atletas olímpicos e três atletas paralímpicos) e 64 mulheres (61 atletas olímpicas e três atletas paralímpicas). Apesar de a competição não ser classificatória para os Jogos Olímpicos, alguns dos principais arqueiros do mundo estarão presentes porque estiveram na Colômbia na última semana, o que facilitou a logística.

O evento servirá para o Comitê Rio-2016 testar tudo o que se refere à parte esportiva, incluindo a ação dos voluntários, divulgação de resultados, exame antidoping e o trabalho de animação de torcida. Detalhe: a competição é fechada ao público.

O comitê optou por não oferecer acesso à torcida por contenção de despesas. Como a preocupação da entidade é apenas testar a área de competição, o Rio-2016 preferiu não realizar gastos externos - como a colocação de banheiros, área de alimentação ou segurança. Apenas convidados terão acesso.

A ausência de público é motivo de lamento para Marcus Vinícius D'Almeida. "Há uma diferença de competir sem público. Seria uma grande oportunidade, é o primeiro grande evento no Brasil de tiro com arco e seria nossa chance de testar a torcida a nosso favor, já que até hoje só tivemos torcida contra."

Sobre a organização do evento, o brasileiro considera que tudo precisa ser bem analisado pelo Rio-2016, mas mesmo assim ele destacou dois pontos. Um deles é o que trata da acomodação dos atletas nas pausas entre uma disputa e outra do dia. Já a outra terá que esperar. "Uma das coisas mais fundamentais é o transporte na hora de ir e voltar do sambódromo. Isso é muito importante porque as pessoas se planejam com esses horários", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.