Kyodo News via AP
Kyodo News via AP

Associação de médicos japoneses pede cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020

A 66 dias do evento, previsto para acontecer de 23 de julho a 8 de agosto, a população japonesa defende em sua maioria um novo adiamento ou cancelamento do evento, de acordo com pesquisas

Redação, Estadão Conteúdo

18 de maio de 2021 | 12h20

Uma associação japonesa de médicos pediu nesta terça-feira o cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados em um ano por causa da pandemia do novo coronavírus. Esta é mais uma entidade de classe do Japão que afirma que o evento esportivo pode agravar a situação sanitária já precária no país, atualmente afetado pela quarta onda de infecções da covid-19. Semana pssada, o mesmo pedido foi feito pelo Sindicato dos Médicos. 

"Pensamos que cancelar um evento que tem o potencial de aumentar o número de infecções e de mortes é uma boa decisão", relatou em comunicado oficial a associação, que tem quase seis mil integrantes. Ao destacar que reservar leitos de hospital para os atletas não corresponderia à Carta Olímpica, a associação apela com veemência ao governo japonês, à cidade de Tóquio e ao Comitê Organizador dos Jogos Tóquio-2020 que solicitem o cancelamento do evento ao Comitê Olímpico Internacional (COI).

Na semana passada, um sindicato de médicos que trabalham em hospitais do Japão considerou "impossível" organizar os Jogos Olímpicos com total segurança "no momento em que as pessoas no mundo inteiro lutam contra o novo coronavírus".

A 66 dias do evento, previsto para acontecer de 23 de julho a 8 de agosto, a população japonesa defende em sua maioria um novo adiamento ou o cancelamento, de acordo com todas as pesquisas feitas no Japão. Mas o Comitê Organizador insiste que medidas de combate ao vírus muito rígidas e a proibição de torcedores procedentes do exterior permitirão que os Jogos Olímpicos aconteçam "com total segurança".

Além disso, os organizadores de Tóquio-2020 anunciaram nesta terça-feira que receberam 395 candidaturas de médicos do esporte e voluntários para ajudar, o dobro da estimativa inicial. Confirmaram também que no mês de abril solicitou os serviços de 500 enfermeiros japoneses para o evento, uma iniciativa que recebeu muitas críticas no Japão.

Relativamente menos afetado pela pandemia em comparação com outros países, com 11.500 mortes oficialmente registradas, o Japão sofre, no entanto, com um aumento de casos de covid-19, o que obrigou na semana passada o governo a ampliar o estado de emergência imposto em parte do país até o próximo dia 31. O governo também é criticado pela lentidão de seu programa de vacinação, quando apenas pouco mais de 1% da população recebeu as duas doses do imunizante da Pfizer/BioNTech, a única autorizada até o momento no país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.