Atletas chineses fazem campanha contra barbatanas de tubarão

Medalhistas olímpicos se unem à WildLife para tentar salvar os animais que correm risco de extinção

Efe,

18 de outubro de 2007 | 09h53

Seis campeões olímpicos se uniram à campanha da organização ambientalista WildLife para que a China deixe de consumir sopa de barbatana de tubarão, um prato de luxo que causa graves danos à biodiversidade. Com o lema "se você não comprar, não matam", os desportistas aparecerão em vários anúncios na TV e em cartazes. Eles vão chamar a atenção da população chinesa para o dano causado pelo consumo de produtos elaborados com espécies em perigo de extinção, como o tubarão, a tartaruga gigante e o panda. Kong Linghui, bicampeão olímpico de tênis de mesa e atual treinador da equipe nacional feminina e o ginasta Lou Yun, medalha de ouro em Los Angeles 1984 e Seul 1988, lançaram hoje a campanha, em companhia do presidente da WildLife, Steve Trent. Zhang Yining, atual campeã olímpica de tênis de mesa, o halterofilista Zhan Xugang, ouro em Sydney e Atlanta, e as saltadoras de trampolim Zhou Jihong e Li Ting, campeãs olímpicas em 1984 e 2004, respectivamente, também emprestaram sua imagem para a campanha. "Com o aumento da população e a crescente demanda de produtos de luxo, a humanidade se transformou num grande predador. Mas o planeta não sustenta essa demanda", disse Trent, na cerimônia de lançamento da campanha. O presidente da WildLife lembrou que a cada ano são extintas 27 mil espécies, três a cada hora em média. A demanda de sopa de barbatana de tubarão é alta nos restaurantes chineses, onde o prato costuma ser o mais caro do cardápio. A cada ano são pescados até 70 milhões de tubarões. O número aumenta da China. Os pescadores costumam cortar as barbatanas e devolver os tubarões ao mar. Os peixes morrem, enquanto suas nadadeiras são vendidas a mais de US$ 1 mil (cerca de R$ 1,9 mil) por quilo no mercado de Hong Kong, centro mundial do comércio do produto. O jogador de basquete Yao Ming, a atriz Zhang Ziyi, o diretor de cinema taiwanês Ang Lee e o atleta americano Maurice Greene, entre outros, já participaram de anúncios pedindo aos consumidores que mudem a sua mentalidade para não alimentar a demanda de partes de animais em extinção.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.