Atletas da equipe olímpica de refugiados desembarcam no Rio

Grupo terá 10 integrantes durante a competição esportiva

Estadão Conteúdo

29 de julho de 2016 | 09h29

A equipe olímpica de atletas refugiados ganhou o reforço de cinco esportistas que desembarcaram no Rio de Janeiro, na manhã desta sexta-feira. Eles vão integrar o grupo que terá 10 atletas na Olimpíada. Refugiados do Sudão do Sul, mas vivendo no Quênia, as duas mulheres e os três homens que chegaram nesta manhã vão competir no atletismo.

Anjelina Nada Lohalith vai disputar a prova de 1.500 metros, enquanto Rose Nathike Lokonyen entrará nos 800 metros. Yiech Pur Biel disputará a mesma prova, porém no masculino. Já James Nyang Chiengjiek vai entrar nos 400 metros e Paulo Amotun Lokoro competirá nos 1.500 metros.

Os cinco atletas vivem no campo de refugiados de Kakuma, no Quênia. E, antes de vir ao Brasil, o grupo treinou na capital Nairóbi para ganhar ritmo para a Olimpíada. Estes cinco esportistas vão se juntar ao sírio Ramis Anis (natação, 100 metros borboleta), ao etíope Yonas Kinde (maratona), à síria Yusra Mardini (100 metros livre e 100 metros borboleta), à congolesa Yolande Mabika (judô, peso médio) e ao congolês Popole Misenga (judô, peso médio).

Estes outros cinco atletas da equipe de refugiados moram em países tão diferentes quanto Alemanha, Brasil, Bélgica, Luxemburgo e Quênia. No Brasil, vivem os dois judocas, no Rio de Janeiro. Destes, apenas o maratonista etíope Yonas Kinde ainda não desembarcou no Brasil para o grande evento.

Estes dez atletas vão formar a primeira equipe olímpica de refugiados da história. O grupo foi criado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), com apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.