Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Atletas e Federações defendem a Baía de Guanabara

Apoio se estende à Copacabana e à Lagoa Rodrigo de Freitas

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

01 de agosto de 2015 | 07h00

Um dia após a qualidade das águas da Baía de Guanabara, da Lagoa Rodrigo de Freitas e da Praia de Copacabana receber duras críticas da imprensa internacional  e abrir caminho para que a cidade de Armação de Búzios lançasse de vez sua “candidatura” à sede das competições de vela da Olimpíada, na última sexta-feira foi a vez de entidades e atletas saírem em defesa do Rio.

A Federação Internacional de Vela (Isaf, na sigla em inglês) publicou um texto em seu site destacando que “está em contato permanente” com autoridades do Brasil e destacou o esforço dos organizadores dos Jogos em garantir condições adequadas para os atletas. Já o Comitê Olímpico dos Estados Unidos negou que tenha solicitado mudança de local das provas.

“Vamos continuar a trabalhar em estreita colaboração com as federações nacionais e internacionais, bem como com os organizadores olímpicos no Rio, usando todos os dados relevantes, para proteger a saúde dos atletas”, informou, em nota, ao Estado.

Posição semelhante apresentou o Comitê Olímpico Inglês, que, também por intermédio de comunicado, destacou a união do Comitê Rio-2016, Comitê Olímpico Internacional (COI) e federações internacionais “para certificar a segurança das águas para os atletas”.

COPACABANA

Partiu dos próprios competidores a defesa mais veemente do Rio. Na sexta-feira, durante coletiva de lançamento do evento-teste do triatlo, que acontece sábado e domingo em Copacabana, a triatleta brasileira Pâmella Oliveira lembrou que o Rio e a praia da zona sul têm histórico de competições na água.

“Há várias provas aqui, maratona, triatlo, centenas e centenas de turistas todos os dias que se banham. Eu mesma já vim e já voltei um milhão de vezes e nunca tive problema”, afirmou.

“Isso (risco de contrair doenças na água) não me preocupa de maneira alguma. Penso que essa questão já foi resolvida quando colocaram a prova aqui em Copacabana. Não acredito que tenham colocado aqui sem ver todas essas questões.”

Atual campeão olímpico de triatlo, o britânico Alistair Brownlee também minimizou o assunto. “Perguntas sobre qualidade da água sempre serão feitas para nós, em qualquer lugar”, disse. “Para ser sincero, já nadei em águas muito piores.”

O diretor de Esportes do Rio-2016, Rodrigo Garcia, destacou que a entidade recebe relatórios semanais da qualidade da água. Ele confirmou que um dos pontos de Copacabana estava impróprio na segunda-feira, devido à chuva que ocorreu no fim de semana passado que levou “água da rua” para o mar.

“Mas acabamos de receber os novos testes e esse ponto já não apresenta mais a qualidade imprópria”, garantiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 2016, Baia de Guanabara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.