Atletas exigem esclarecimentos do COI sobre os Jogos

Comissão dos Atletas Europeus quer saber o que os atletas devem ou não fazer para não serem punidos

Ansa

07 de abril de 2008 | 17h25

A Comissão dos Atletas Europeus exigiu nesta segunda-feira que o Comitê Olímpico Internacional (COI) indique o "que é permitido e o que não é" com relação às opiniões pessoais de cada atleta sobre os direitos humanos e a situação no Tibete durante os Jogos Olímpicos de Pequim. Veja também:  Protestos em Paris cancelam revezamento Imagens dos problemas no revezamento em Paris Revezamento da tocha em Paris é suspenso após protestos China condena ataques à tocha olímpica; COI condena atentado Chineses censuram cobertura da tocha olímpica apagada em Paris O trajeto completo do revezamento da tocha pelo mundo"Os atletas querem saber o que é permitido e o que não é permitido", disse a porta-voz da Comissão, Claudia Bokel, durante uma reunião dos líderes da Associação de Comitês Olímpicos Nacionais (ACON), em Pequim.O COI disse que os 10.500 atletas que participarão dos Jogos de Pequim, entre 8 e 24 de agosto, têm o direito de falar com liberdade, desde que respeitem a Carta Olímpica. A Carta, uma lista de regras elaborada pelo COI, afirma que os atletas estão impedidos de usar os eventos esportivos para realizar propaganda política, religiosa ou racial. O diretor da associação que agrupa os 49 Comitês Olímpicos Europeus, Patrick Hickey, pediu esclarecimentos ao presidente do COI, Jacques Rogge, que está em Pequim para uma reunião de três dias com a Junta Executiva do COI. Rogge "irá emitir um extenso comunicado na manhã de quinta-feira sobre todos os assuntos que preocupam os atletas", disse Hickey.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequim 2008TibeteChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.