Jonne Roriz/Exemplus/COB
Jonne Roriz/Exemplus/COB

Atletismo garante 2 medalhas de bronze ao Brasil nos Jogos Olímpicos da Juventude

Lucas Conceição e Letícia Lima correram bem e ganharam a medalha de bronze nos 200 metros rasos

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2018 | 20h15

Jéssica Vitória estava fazendo nesta terça-feira a prova da sua vida nos Jogos Olímpicos da Juventude, que estão sendo disputados em Buenos Aires. Porém, no último obstáculo da prova de 400 metros com barreiras, ela tropeçou ao saltar e caiu. Deixou de marcar o melhor tempo de sua carreira e ficou fora do pódio. Foi às lágrimas e isso mexeu com seus companheiros de equipe. Pouco depois, nos 200 metros rasos, Lucas Conceição e Letícia Lima correram bem e ganharam a medalha de bronze.

"Foi dali que tirei minha força. Eu já vim focado, mas quando aconteceu aquilo com ela, ganhei mais força. A gente convive junto desde pequeno e não é a primeira vez que vejo ela passando por isso. Quando vi o que tinha ocorrido, cheguei a me emocionar", comentou Lucas, que treina na mesma cidade de Jéssica - Guariba, no interior de São Paulo.

"No ano passado, no Mundial no Quênia, ela tinha chance de medalha e caiu na sétima barreira. Lembrei daquilo e fui lá consolar ela, disse para erguer a cabeça. Ela já é uma campeã só por estar aqui. Isso me deu mais força para entrar na prova e dar o meu melhor", continuou o atleta, que tinha como melhor marca 21s06 e cravou 20s99.

"Não tenho palavras para expressar a felicidade, a emoção enorme que estou sentindo. Eu precisava fazer um ótimo tempo para medalhar, me preparei bastante e acreditei que poderia conseguir. Estou muito orgulhoso de mim", festejou o garoto de 17 anos, que só de um ano para cá treina em uma pista com piso adequado.

Quem também se emocionou com a queda de Jéssica foi Letícia Lima, bronze nos 200 metros rasos. "Já fomos adversárias de prova, mas a gente é amiga e fiquei muito triste por ela. Poderia ganhar medalha também, mas não deu. Isso me deu mais forças para lutar e conseguir a medalha para nós duas", explicou a corredora de 17 anos.

Para Jéssica, o erro em sua prova nos 400 metros com barreiras foi fatal, mas ela leva de aprendizado para sua carreira. "Eu perdi a concentração, infelizmente acontece. Não foi a primeira vez que aconteceu isso. Ganhei experiência e espero a próxima vez conseguir ficar entre as melhores do mundo. Estava correndo bem, poderia baixar meu tempo, mas ficou para a próxima", lamentou.

OUTROS RESULTADOS 

O pódio no atletismo contrastou com derrotas no basquete 3 x 3 e no boxe. Luiz de Oliveira, o Bolinha, perdeu para Sarawut Sukthet, da Tailândia, por 4 a 1 e disputa o bronze nesta quarta-feira. Já no basquete, o Brasil perdeu para a Bélgica por 21 a 10 e foi eliminado nas quartas de final do torneio.

Quem obteve um bom resultado foi Keno Marley, que também enfrentou um tailandês no boxe e levou a melhor, garantindo vaga na decisão. O brasileiro superou Weerapon Jongjoho por 5 a 0, na categoria até 75 kg, e agora vai enfrentar na final Farid Douibi, da Argélia. O duelo está programado para as 19h15 (de Brasília) desta quarta-feira.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.