Aleksandra Szmigiel/Reuters
Aleksandra Szmigiel/Reuters

Atrás da China, Estados Unidos usam contagem alternativa para liderar os Jogos de Tóquio

Quadro de medalhas oficial do COI aponta os chineses em primeiro após mais um dia de competições, com 29 ouros, 17 pratas e 16 bronzes; americanos somam 22 ouros, 25 pratas e 17 bronzes

Da Redação, O Estado de S. Paulo

02 de agosto de 2021 | 13h42

Passada pouco mais de uma semana da realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, a China surge como líder isolada do quadro de medalhas (29 ouros, 17 pratas e 16 bronzes). Mas essa posição de protagonismo vem despertando polêmica graças a uma contagem alternativa que vem sendo explorada pelos órgãos de comunicação americanos. Eles ranqueiam as nações pelo número total de medalhas conquistadas e não pelo peso.

No critério oficial utilizado pelo Comitê Olímpico Internacional, depois de mais um dia de competições nesta segunda-feira, os chineses estão em vantagem de sete ouros para os Estados Unidos (29 contra 22), que soma ainda 25 pratas e 17 bronzes. O Japão continua no terceiro posto (17 ouros, seis pratas e 10 bronzes).

Já pela contagem alternativa dos veículos de comunicação dos Estados Unidos, a troca do primeiro para o segundo colocado se deve pelo fato de a delegação americana ter um total de 64 medalhas, duas a mais do que a China.

Essa contagem alternativa vem sendo adotada desde os Jogos de Pequim, em 2008. Naquela edição, a China foi líder do quadro de medalhas pelos critérios do COI. Os Estados Unidos, no entanto, tiveram mais pódios. Veículos com o peso do New York Times, e emissoras como a NBC adotam essa novo esquema de contagem que acaba colocado os americanos em evidência.

Pelos critérios do COI, o Brasil ocupa o 18° lugar com dois ouros, três pratas e cinco bronzes, totalizando dez medalhas no total.

Caso o Comitê Olímpico do Brasil adotasse o esquema americano de contagem, o país ficaria na frente da Croácia (16º), por exemplo, que tem um ouro a mais, porém tem sete medalhas no total. A República Tcheca (13º), quatro ouros, mas com um total de oito medalhas, também ficaria atrás do Brasil nesta contagem. O País passaria a ser o 15º no ranking levando em conta o total de medalhas conquistadas.

Essa artimanha despertou reações na web. Muitos internautas criticaram a adoção desse ranking não oficial pelos veículos de imprensa dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.