David J. Phillip/AP
David J. Phillip/AP

Azar de uns se transforma na sorte de outros competidores

Brasileiros podem se favorecer no salto com vara e na marcha

Nathalia Garcia, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2016 | 07h00

A decisão de deixar o atletismo russo fora dos Jogos Olímpicos do Rio vai abrir espaço para atletas de outros países subirem ao pódio. As brasileiras Fabiana Murer, do salto com vara, e Erica Sena, da marcha atlética, podem fazer parte desse grupo.

Bicampeã olímpica - Atenas-2004 e Pequim-2008 - e recordista mundial (5,06 m), Yelena Isinbayeva sempre esteve no caminho de Fabiana. Em 2013, a russa conquistou o tricampeonato mundial ao saltar 4,89 m. Tal marca nunca foi atingida pela brasileira, que registrou 4,85 m em sua melhor performance. 

Na marcha atlética, Erica tem o 4.º melhor resultado do ano na prova dos 20 km, mas o cenário seria diferente se algumas rivais não estivessem suspensas. As russas Olga Kaniskina e Ekaterina Medvedeva, por exemplo, registraram bons tempos e estariam à frente da brasileira. Salto em distância, salto em altura e revezamento 4 x 400 m estão entre os destaques.

Superintendente de Alto Rendimento da Confederação Brasileia de Atletismo (CBAt), Antonio Carlos Gomes, pondera em entrevista ao Estado que não é apenas o Brasil que pode se beneficiar da punição. "Os russos estão sempre presentes entre os finalistas e alguém vai ganhar com a não vinda deles. A gente pode ter uma melhor classificação, mas não podemos raciocinar só para nós. Facilita para todos que estão atrás deles. Fica uma briga entre outros países."

O dirigente, que morou na Rússia de 1985 a 1997, acredita que a Olimpíada do Rio terá uma queda na qualidade com a ausência do atletismo russo. "Para um evento da envergadura dos Jogos Olímpicos é ruim porque perde espetáculo e perde competitividade." Ele também lamenta que os russos que não estão envolvidos nos casos de doping vão pagar pelos erros de outros atletas.

Por outro lado, Antonio Carlos diz que é preciso "aplaudir esse tipo de atitude", que ajuda a garantir um esporte limpo. "As instituições que tiraram eles por furarem esse conceito ético estão de parabéns." 

PARTICIPE

Quer saber tudo dos Jogos Olímpicos do Rio? Mande um WhatsApp para o número (11) 99371-2832 e passe a receber as principais notícias e informações sobre o maior evento esportivo do mundo através do aplicativo. Faça parte do time "Estadão Rio 2016" e convide seus amigos para participar também!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.