Christopher Jue/ EFE
Christopher Jue/ EFE

Thomas Bach pede calma com aumento de casos de covid-19 no Japão: 'As medidas anticovid funcionam'

Tóquio registra nesta quinta-feira mais de mil novos casos da doença pelo segundo dia consecutivo

Redação, Estadão Conteúdo

15 de julho de 2021 | 09h20

O aumento do números de casos de covid-19 no Japão às vésperas do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, previsto para o próximo dia 23, causa preocupação em todos no país, mas o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), o alemão Thomas Bach, procurou passar nesta quinta-feira uma mensagem de calma em relação ao assunto ao dizer que as medidas anticovid implementadas para o evento "funcionam".

O Governo Metropolitano de Tóquio reportou 1.308 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas. O número é o maior desde 21 de janeiro. A oito dias do início da Olimpíada, a capital japonesa registra mais de mil casos pelo segundo dia seguido. Tóquio está sob estado de emergência desde a última segunda e na quarta-feira a cidade já havia registrado 1.149 casos. A média atual é de 882,1 casos por dia.

De acordo com um relatório divulgado pelo COI nesta quinta, um atleta não identificado, que ainda não está na Vila Olímpica, testou positivo para o novo coronavírus em sua chegada ao Japão. Ela já foi isolado e ficará em quarentena por 14 dias. Além disso, outras cinco pessoas que trabalham para os Jogos Olímpicos também estão infectadas pela covid-19.

Bach assegurou, após uma visita à Vila Olímpica, que está convencido de que as medidas anticovid "foram implantadas e funcionam". "Pudemos ver para nos convencer de que todas as delegações estão seguindo as regras e os protocolos e as apoiam porque sabem que interessa estar em segurança", declarou o dirigente durante um encontro com a governadora de Tóquio, Yuriko Koike. "Todos têm esse interesse e também por solidariedade com os habitantes de Tóquio", completou.

Embora Tóquio esteja sob um estado de emergência devido ao aumento de infecções, Bach disse que ele "não especulará" sobre o que pode acontecer caso a situação da covid-19 piore na capital japonesa no período dos Jogos. "Nós, o COI, nunca abandonaremos os atletas e, com o cancelamento, teríamos perdido toda uma geração de atletas. Portanto, um cancelamento para nós não era realmente uma opção", disse ao referir-se à decisão de março no ano passado para adiar a Olimpíada devido à crise global de saúde.

Bach afirmou ainda que cancelar os Jogos Olímpicos e receber dinheiro do seguro era a "maneira mais fácil" na época, mas o COI não escolheu esse caminho e investiu mais para que o evento no Japão acontecesse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.