Batidas, vôos, emoção e hematomas na estréia olímpica do BMX

Corredores com capacetes e pequenasbicicletas desabando pela rampa de largada, dando saltosvoadoers e sobrevivendo a batidas em alta velocidade marcaram oprimeiro dia da categoria BMX no ciclismo olímpico, nestaquarta-feira. No mundo do vale-tudo do BMX (ou bicicle motocross),diversos favoritos foram para o chão mas ainda conseguiram serecuperar e avançar para a próxima fase -- inclusive as duasfavoritas no feminino. A estréia do evento em uma Olimpíada, mirando uma audiênciamais jovem para os Jogos, confirmou sua reputação de ser umesporte rápido e excitante. Com muito rock bombando como pano de fundo, os corredorestatuados e cheio de piercings correram de oito em oito pelapista empoeirada, saltando alto e se acotovelando em busca demelhores posições. A ação dura menos de 40 segundos, com os bikers se lançandoda rampa de largada e atingindo velocidades de até 65 km/h naterra, derrapando em curvas fechadas e sendo catapultados emgrandes saltos, pedalandos suas bicicletas ferozmente o tempotodo. Depois da primeira fase, 32 homens correram em três provasnas quartas-de final, com os quatro mais rápidos de cadabateria avançando para as semifinais de quinta-feira. Asmulheres tiveram apenas rodadas qualificatórias e todascompetem nas semis de quinta. O favorito para a medalha de ouro, o norte-americano MikeDay, provou que é o homem a ser batido, terminando as primeirasrodadas na primeira posição e depois vencendo as três corridasdas quartas. Seu companheiro de equipe Donny Robinson, também cotadopara medalhas, teve um acidente na primeira prova das quartas,mas se recuperou nas outras duas e avançou para as semis. "Não poderia ser mais radical do que isso", disse Robinson,que definiu o difícil circuito de BMX de Laoshan como"espinhoso". "Pequenos erros custam um grande tempo. Esse é o espíritodo BMX", disse o biker. "Tudo pode acontecer e por isso é que élegal de assistir." A campeã mundial de BMX, Shanaze Reade, da Grã-Bretanha,grande favorita no feminino, teve um susto ao bater na primeiracurva da primeira de duas qualificatórias. Aos 19 anos, ela, que também tem um título mundial emciclismo de pista, se recuperou e fez uma supreendente segundaprova, terminou o dia qualificada em segundo para a semi dequinta-feira. Exibindo vários piercings, Reade não soube explicar suaqueda, mas quando perguntada se teve medo na largada para asegunda corrida, ela foi enfática: "Nunca tenho medo, nuncatenho medo." A veterana fracesa Anne-Caroline Chausson também bateu. Massua primeira corrida foi tão rápida que ela terminou emprimeiro na qualificação feminina para as semis. A francesa, que desistiu da aposentadoria para disputar oBMX na Olimpíada, disse que o esporte é bom para os Jogos. "É uma nova modalidade, uma modalidade divertida, comosnowboard, motocross. Espero que o esporte cresça empopularidade." "Sendo um esporte veloz e intenso para os espectadores, eleatende às expectativas dos mais jovens." As semifinais e as finais do BMX acontecem naquinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.