Boliche muda regras e sonha em entrar no programa da Olimpíada

'Vamos melhorar nossa apresentação para a mídia e espectadores', afirma Kevin Dornberger, presidente da entidade World Bowling 

Estadão Conteúdo

13 de dezembro de 2014 | 14h45

Com a aprovação da chamada "Agenda 2020" pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), abriu-se a possibilidade de novas modalidades serem incluídas no programa dos Jogos Olímpicos. Um dos esportes que sonha em fazer parte do evento esportivo mais importante do mundo está o boliche, que mudou suas regras já sonhando com a inclusão.

Em entrevista ao site Inside The Games, Kevin Dornberger, presidente da World Bowling ("boliche mundial", em tradução livre), afirmou que acredita na possibilidade. "Nós estamos trabalhando para melhorar a atratividade do nosso esporte e os eventos estão mostrando isso. Vamos melhorar nossa apresentação para a mídia e espectadores. Isso nos levará à Olimpíada? Eu não sei, mas eu gostaria que sim", afirmou o dirigente.

Em campanha para entrar no programa olímpico, a entidade foi renomeada em setembro (chamava-se Federação Internacional de Boliche Dez Pinos) e alterou o formato dos jogos no Mundial Masculino. As regras estão sendo testadas também no Mundial Feminino, que acontece em Abu Dabi. O boliche já faz parte dos Jogos Pan-Americanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.