Phil Noble / Reuters
Phil Noble / Reuters

Brasil abre 3 a 0, leva susto, mas estreia com vitória diante da Alemanha nos Jogos de Tóquio

Richarlison marca três vezes no primeiro tempo, seleção desacelera e quase leva o empate em Yokohama: 4 a 2

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2021 | 10h52

A seleção brasileira masculina de futebol estreou com vitória na defesa do ouro olímpico conquistado no Rio. Nesta quinta-feira, em Yokohama, o Brasil abriu 3 a 0 no primeiro tempo diante da Alemanha, com três gols de Richarlison, desacelerou na etapa final, viu os alemães marcarem duas vezes, mas, no fim, fechou o placar com um gol de Paulinho (4 a 2), no primeiro compromisso pelos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O Brasil começou arrasador. Nos primeiros minutos da partida contra um rival de tradição, a Alemanha, de tantas histórias num passado recente, o time de André Jardine não se intimidou e fez três gols de cara. Os três com o atacante Richarlison. Todos de puro oportunismo. "Foi para isso que eu pedi liberação do meu clube, o Everton. Espero continuar ajudando. Vai ser uma noite inesquecível para mim e para todos nós", disse o atacante, que comentou ter ficado pouco tempo com os familiares no Brasil após a Copa América e já teve de se entregar ao trabalho para a Olimpíada.

Richarlison foi o principal jogador do Brasil na vitória de 4 a 2 do time diante da Alemanha em Yokohoma, estádio que os brasileiros conhecem bem. Foi lá que a seleção principal ganhou sua quinta Copa do Mundo também diante da Alemanha, com dois gols de Ronaldo, na vitória de 2 a 0. Jardine não teve os jogadores que queria ter em Tóquio. Mas formou uma equipe equilibrada. Daniel Alves foi um dos destaques na estreia, ajudando na marcação, mas também armando o time em algumas ocasiões. Ele usou a braçadeira de capitão. Richarlison é o camisa 10.

Depois de construir três gols de vantagem, o Brasil ainda perdeu um pênalti com Matheus Cunha. Poderia ter feito 4 a 0. Nesse momento não teve brasileiro que não se lembrou dos 7 a 1 sofridos para os alemães na Copa do Mundo de 2014. O atacante cobrou forte, mas em meia altura, facilitando a vida do goleiro. Matheus Cunha atuou ao lado de Richarlison na frente. Eles se entenderam na maioria das vezes. O garoto que atua na Alemanha foi bastante participativo, mas não era seu dia de marcar. Além do pênalti, ele desperdiçou outras boas chances.

Em nenhum momento do primeiro tempo, a seleção brasileira foi pior do que a Alemanha. O time alugou o meio de campo, teve chances de fazer mais gols, mas foi se acostumando com o resultado. Deu espaço na etapa final e permitiu a reação do rival. No primeiro gol alemão, o goleiro do Brasil falhou. O time perdeu a concentração e só retomou a seriedade após o segundo da Alemanha. O duelo ficou 3 a 2. Para quem estava perdendo por 3 a 0, a equipe alemã recuperou as esperanças de ao menos empatar na estreia. Não deu. Com Paulinho numa jogada pela esquerda, o Brasil aumentou a contagem e sacramentou a vitória do time campeão olímpico.

É cedo ainda para apontar o Brasil como grande favorito ao ouro em Tóquio, mas é inegável que o time de Jardine deixa boa impressão. A isso se soma os tropeços de seus maiores rivais nesta edição, como a Espanha, que só ficou no empate com o Egito, e França, que perdeu seu jogo, e a grande Argentina, que não soube segurar a Austrália e apanhou de 2 a 0. Todos eles vão ter de correr atrás dos pontos perdidos. A seleção brasileira segue trilho mais tranquilo até agora.

História

Os gols de Richarlison já entraram para a história dos Jogos. Foi a quarta vez que um jogador brasileiro marca três vezes numa mesma edição de Olimpíada, o que dá ao atacante a chance de bater um recorde na sequência da competição. Os outros foram Gérson, Romário e Bebeto. Nenhum deles ganhou o ouro olímpico.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 4 X 2 ALEMANHA

BRASIL - Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho (Malcom); Antony (Paulinho), Matheus Cunha e Richarlison (Reinier). Técnico: André Jardine.

ALEMANHA - Müller; Henrichs, Pieper (Torunarigha), Uduokhai e Raum; Maier, Arnold e Amiri; Stach (Schlotterbeck), Richter (Ache) e Kruse (Löwen). Técnico: Stefan Kuntz.

GOLS - Richarlison, aos 6, aos 21 e aos 29 minutos do primeiro tempo; Amiri, aos 11, Ache, aos 38, e Paulinho, aos 48 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Ivan Barton (El Salvador).

CARTÕES AMARELOS - Douglas Luiz, Henrichs, Pieper, Uduokhai  e Stach 

CARTÃO VERMELHO - Arnold.

LOCAL - Estádio Yokohama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.