Vincenzo Pinto / AFP
Vincenzo Pinto / AFP

Brasil bate Espanha na prorrogação e conquista bicampeonato olímpico no futebol masculino

Após empate por 1 a 1 no tempo normal, Malcom faz o gol que garante o segundo ouro consecutivo nos Jogos Olímpicos

Raphael Ramos / Enviado Especial / Yokohama, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2021 | 11h17

Coube ao atacante Malcom ser o improvável herói do bicampeonato olímpico do futebol brasileiro neste sábado nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O ex-jogador do Corinthians, atualmente no Zenit St. Petersburgo, da Rússia, saiu do banco na prorrogação para fazer o gol da dramática vitória do Brasil por 2 a 1 sobre a Espanha no Estádio Internacional de Yokohama, onde a seleção tem história - foi lá que ganhou a Copa do Mundo de 2002, com dois gols de Ronaldo.

A chegada do jogador à Olimpíada foi uma epopéia, cheia de idas e vindas. Ele foi convocado na lista inicial de André Jardine ainda no dia 17 de junho. O problema é que o Zenit St. Petersburgo não liberou o atleta e a comissão técnica, então, resolveu chamar Martinelli, do Arsenal. Tudo mudou depois que Douglas Augusto, lesionado, acabou cortado. A CBF voltou a pedir ao Zenit a convocação de Malcom e conseguiu que o atacante se juntasse à seleção somente faltando três dias para a estreia, mais de um mês depois da convocação inicial.

Com o triunfo deste sábado, o Brasil passa agora a ter dois ouros (Rio-2016 e Tóquio-2020), três pratas (Los Angeles-1984, Seul-1988 e Londres-2012) e dois bronzes (Atlanta-1996 e Pequim-2008). A seleção saltou para o terceiro lugar no ranking de todos os tempos do futebol masculino nos Jogos Olímpicos, ultrapassando a Argentina (dois ouros e duas pratas), atrás apenas de Hungria e Grã-Bretanha (três ouros cada).

O título invicto marca uma campanha na qual Jardine não pôde contar com todos os jogadores que gostaria, como a liberação de nomes como Neymar, Marquinhos, Weverton, Rodrygo, Vinicius Junior e Pedro. Apesar de tantas ausências, ele conseguiu montar um time forte e competitivo.

A final olímpica, no entanto, poderia ter sido menos complicada para o Brasil se Richarlison não tivesse desperdiçado aos 37 minutos do primeiro tempo um pênalti sofrido por Matheus Cunha. A volta do atacante Hertha Berlim, recuperado de uma contratura muscular, inclusive, melhorou muito o poder ofensivo do time.

Com Antony pela direita, Claudinho na esquerda e Matheus Cunha e Richarlison se movimentando próximo à área, o Brasil marcava sob pressão e criava boas chances de gol ao longo do primeiro tempo. O lance mais efetivo da Espanha foi aos 15 minutos, mas Diego Carlos salvou em cima da linha.

O belo gol marcado por Matheus Cunha já nos acréscimos fez justiça ao time que mais atacou na etapa inicial, apesar da tensão e do equilíbrio do jogo. Aos 46, após invertida de bola de Claudinho, Daniel Alves mandou para o meio da área, onde Matheus Cunha se livrou da marcação de três espanhóis com um único toque na bola e bateu de primeira com estilo.

Como precisava do gol, a Espanha se arriscou mais ao ataque no segundo tempo e passou a oferecer espaços para os contragolpes da seleção. Em uma dessas escapadas, o Brasil esteve muito perto de ampliar aos oito minutos, quando Richarlison carimbou o travessão. Ele estava saindo para festejar. Mas a bola não entrou.

O problema é que a seleção recuou demais a marcação e deixava a bola muito tempo com a Espanha. Após tanto rondar a área do Brasil, os espanhóis empataram aos 14 minutos em um belo gol de Oyarzabal após cruzamento da direita.

A partida, então, ficou perigosa para a seleção. O Brasil deixou de pressionar a saída de bola e aceitava passivamente o jogo da Espanha. Os jogadores ignoraram o fair play, passaram a trocar provocações e empurrões. Nesse jogo de imposição física, o Brasil parecia mais cansado do que a Espanha. Os espanhóis acertaram duas bolas no travessão em sequência. Aos 39 com Soler e aos 42 com Bryan Gil.

Na prorrogação, a entrada de Malcom no lugar de Matheus Cunha renovou o fôlego do ataque e quem passou a ser mais perigoso foi o Brasil. Faltava, no entanto, melhorar o acabamento das jogadas. Até que, aos dois minutos do segundo tempo da prorrogação, Malcom disparou em velocidade pela esquerda e tocou na saída do goleiro para garantir mais uma medalha de ouro para o Brasil.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 X 1 ESPANHA

GOLS: Matheus Cunha, aos 46 minutos do 1.º Tempo, Oyarzabal, aos 14 do 2.º Tempo, e Malcom, aos dois minutos do 2.º Tempo da prorrogação.

BRASIL: Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães, Claudinho (Reinier) e Antony (Gabriel Menino); Richarlison (Paulinho) e Matheus Cunha (Malcom). Técnico: André Jardine.

ESPANHA: Unai Simón; Óscar Gil (Vallejo), Èric Garcia, Pau Torres e Cucurella (Miranda); Zubimendi (Moncayola), Mikel Merino (Soler) e Pedri; Marco Asensio (Bryan Gil), Oyarzabal e Dani Olmo. Técnico: Luis de La Fuente.

ÁRBITRO: Chris Beath (AUS).

CARTÕES AMARELOS: Eric García, Guilherme Arana, Richarlison, Matheus Cunha e Bryan Gil

LOCAL: Estádio Internacional de Yokohama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.