Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Brasil conquista mais cinco medalhas e continua em 5º

País já tem 24 medalhas no geral. Com o 19º pódio, Daniel Dias se aproxima de recorde histórico

CONSTANÇA REZENDE E MARCIO DOLZAN, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2016 | 05h00

O domingo de sol forte e arenas lotadas foi mais um dia de conquistas para os atletas do Brasil que disputam os Jogos Paralímpicos do Rio-2016. Ao todo, o País levou cinco medalhas, com uma de ouro, duas de prata e duas de bronze. O atletismo, mais uma vez, foi o carro-chefe, com quatro pódios. Já o nadador Daniel Dias ficou em 2º (prata) na prova dos 100 metros peito e chegou ao seu 19º pódio em Paralimpíadas.

Com o desempenho deste domingo, a equipe brasileira se manteve em quinto lugar no quadro de medalhas - meta traçada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro. O ouro do domingo veio ainda pela manhã, no Engenhão.

Treinando há apenas dois anos e meio, Petrucio Ferreira dos Santos, de 19 anos, chegou em primeiro e ainda quebrou o recorde mundial dos 100 metros rasos, categoria T47 (para amputados). Yohansson Nascimento, que competiu na mesma prova, ficou com o bronze. Hoje, eles querem dividir o pódio novamente no revezamento 4x100 metros, às 17h30.

“Yohansson me inspirou e ainda me inspira muito. Assistia suas performances nas outras Paralimpíadas pela TV e queria ser igual a ele. Ele me passa experiência”, diz Petrucio.

No domingo, Yohansson chegou à quinta medalha. Mesmo assim, está ansioso para ampliar a coleção. “Temos uma equipe fantástica e vamos subir no pódio juntos mais uma vez. Cada competição é um livro em branco que a gente vai preenchendo com algumas medalhas e histórias de superação.”

À noite, o atletismo garantiu mais duas medalhas. Com a marca de 11s08, Felipe Gomes levou a prata nos 100 metros rasos T11 (cego total). Já Teresinha de Jesus Correia Santos foi bronze nos 100 metros rasos T47 (amputados e outros).

Na natação, Daniel Dias, maior medalhista paralímpico do País, aumentou a coleção particular ao chegar em segundo lugar na prova dos 100 metros peito SB4. O paulista foi ovacionado pela torcida ao ser anunciado e ao deixar a piscina.

Daniel fechou os primeiros 50 metros em quarto lugar, mas teve uma arrancada fenomenal nos últimos 30 metros e por muito pouco não ficou com o ouro, conquistado pelo chinês Junsheng Li.

Com o quarto pódio no Rio, Daniel Dias continua com chances de se tornar o maior medalhista da história dos Jogos Paralímpicos. A marca pertence ao nadador australiano Matthew Cowdrey, dono de 23 medalhas. O brasileiro, que tem 19, deve competir em mais cinco provas nesta edição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.