Brasil de Bernardinho começa mata-mata contra donos da casa

Seleção masculina de vôlei enfrenta nesta quarta-feira a China, valendo vaga na semifinal do vôlei marculino

Valéria Zukeran, enviada especial - Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2008 | 15h41

Oleg Popov/Reuters Brasileiros estão focados em superar a fase delicada do time e enfrentam a China, em Pequim   PEQUIM — A Polônia ajudou a seleção brasileira masculina de vôlei a terminar em primeiro lugar a fase de classificação da Olimpíada de Pequim. Agora, começa a temporada mata-mata das quartas-de-final e o primeiro o adversário do time será a China. O Brasil enfrentará os donos da casa nesta quarta-feira, às 9 horas (horário de Brasília). O estadao.com.br irá fazer o acompanhamento online do confronto.     A seleção do Brasil encerrou sua participação na fase de classificação da Olimpíada com uma vitória sobre a Alemanha por 3 sets a 0 (25/22, 25/21 e 25/23) e já contava com uma derrota da Polônia para a Rússia resultado que deixaria Bulgária ou Itália no caminho da classificação para a próxima fase, a semifinal, do torneio olímpico.   No fim, todos foram surpreendidos pela vitória dos poloneses sobre os russos por 3 sets a 2 (17/15, 26/24, 24/26, 25/23 e 15/12). Esse resultado que deu ao Brasil a oportunidade de enfrentar os chineses, quarto colocados na disputa, que foram derrotados pela Itália por 3 sets a 2 (25/17, 25/23, 12/25, 20/25 e 16/14) e são, pelo menos teoricamente, menos fortes que Rússia ou Bulgária.   DETALHES Bernardinho sabe que tem alguns detalhes para acertar no time, em especial o passe dos jogadores considerados reservas.   Nesta terça-feira, Marcelinho e Bruno tiveram dificuldades para conseguir uma boa situação de ataque. "Isso era previsto porque o time da Alemanha tem um bom saque", disse Bernardinho.   O ponta Dante, por exemplo, não quis causar uma polêmica, mas acha que a nova bola também tem um pouco de influência no problema do passe. "Ela ‘viaja’ muito [toma efeitos inesperados]. Mas tem sido ruim para todo mundo", ressalta.   Bernardinho considera que a seleção fez um bom teste com os alemães, que, além de fortes no saque, também têm um bom bloqueio. "O time vem evoluindo", disse o treinador. Segundo ele, todos os adversários são praticamente iguais e o grau de dificuldade será muito alto em todas as partidas. "Quem errar menos, sairá vencedor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.