Lisi Niesner / Reuters
Lisi Niesner / Reuters

Brasil disputa medalhas no goalball: confira os destaques do dia na Paralimpíada

Atletismo e natação seguem com chances de pódios, enquanto seleção feminina de vôlei sentado joga semifinal

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2021 | 18h00

Perto de alcançar o recorde de Londres de 21 medalhas  de ouro numa edição da Paralimpíada, o Brasil pode chegar ao número ainda nesta quinta - tem 19, com mais finais na natação, atletismo e a do goalball masculino. O time feminino do vôlei sentado busca vaga na final diante dos Estados Unidos, enquanto os atletas da canoagem disputam semifinais e bocha segue a disputa da fase de grupos por equipes.

GOALBALL

O Brasil terá duas disputas de medalha: a seleção feminina enfrenta o Japão às 01h15 pelo bronze, enquanto a masculina busca medalha de ouro inédita contra a China às 07h30.

O goalball é um esporte para deficientes visuais em que três atletas jogam de cada lado, um pivô no centro e dois alas. Em campos opostos, os atletas lançam a bola com a mão para tentar marcar, enquanto os três do outro time defendem, podendo usar as mãos e pés para tal.

VÔLEI SENTADO

Com campanha invicta na fase de grupos, a seleção feminina joga a semifinal contra os Estados Unidos às 06h30. O vôlei sentado tem regras parecidas com as do vôlei olímpico, sendo disputado por atletas amputados ou que de alguma forma não podem usar os membros inferiores, em uma quadra menor.

ATLETISMO

O Brasil tem mais disputas nos 'lançamentos': medalhista de bronze no Rio, Izabella Campos compete no arremesso de disco da classe F12 (atletas cegos ou que enxergam vultos) a partir das 21h30 e João Victor Teixeira busca mais uma medalha no arremesso de peso F37 (atletas andantes com paralisia cerebral) às 22h55. Jerusa Geber e Lorena Spoladore buscam vaga na final dos 200m da classe T11 (cegos) às 21h39 e Thalita Simplício às 21h47.

NATAÇÃO

Bronze na Rio-2016, Ruan de Souza busca mais uma medalha paralímpica, nos 200m medley da classe SM10 (atletas com problemas físicos menores, como uma mão amputada) - a primeira bateria é às 21h04. Gabriel Melone, que já tem uma medalha em revezamento em Tóquio, tenta uma individual nos 100m costas S6 (atletas com amputações ou problemas motores de um lado do corpo) às 21h19.

BOCHA

Prossegue a disputa da fase de grupos por equipes. A primeira do Brasil será contra Hong Kong na BC3 às 21h30; na BC4, às 23h15, contra Portugal, mesmo horário em que os atletas da BC1/BC2 encaram os sul-coreanos. Na madrugada, a BC3 ainda joga às 02h25 contra a a Austrália e as 06h05 contra o Japão; na BC1/BC2, contra o Japão, às 04h10.

A modalidade BC1 conta apenas com pessoas com paralisia cerebral, que podem jogar com as mãos ou com os pés e podem ter um auxiliar. Na BC2, o atleta apresenta quadro de paralisia cerebral e não tem auxílio. Na BC3, os atletas tem um grau maior de comprometimento motor. Os jogadores são assistidos pelos calheiros, que tem a função de direcionar a calha que auxilia na impulsão da bola de acordo com as orientações do atleta. Por fim, na BC4, os atletas tem deficiências com origem não cerebral, como distrofia muscular progressiva, esclerose múltipla, lesão medular com tetraplegia, etc.

CANOAGEM

Os atletas do Brasil competem em diversas semifinais. Os principais destaques são: Débora Benevides, que compete no VL2 às 21h44, ; às 21:58, Fernando Rufino disputa a eliminatória do KL2, e Caio Ribeiro busca vaga na final do KL3 às 22h12.

Na canoagem paralímpica, as siglas são montadas da seguinte forma: a primeira letra é para o tipo de embarcação, V para va'a e K para caiaque. O L e o número se referem a uma pontuação atingida pelo atleta em testes médicos, técnicos e na água, cujo número define o grau de comprometimento físico-motor do atleta - quanto menor o grau, maior o comprometimento.

CICLISMO

A última chance de medalha do Brasil é na corrida do ciclismo de estrada C4-5, com André Grizante. A prova começa às 21h30. A classe C reúne atletas com problemas de coordenação motora, limitação muscular ou amputações, que não impedem a utilização de bicicletas convencionais. C1 apresenta severa limitação aos movimentos, enquanto C5 é a classe com menores limitações para o esporte.

TAEKWONDO

Depois do ouro de Nathan Torquato, o Brasil tem Silvana Fernandes, que já estreia nas quartas-de-final contra a americana Brianna Salinaro na categoria até 58kg. Se vencer, Silvana já tem medalha garantida, pois a categoria não tem disputa de terceiro lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.