Brasil enfrentará China no vôlei e Zé Roberto não teme torcida

Atuais campeãs olímpicas, chinesas derrotaram as russas por 3 sets a 0 e pegam as invictas brasileiras na quinta

Alberto Alerigi Jr, REUTERS

19 de agosto de 2008 | 12h11

A China, atual campeã olímpica no vôlei feminino, derrotou a Rússia por 3 sets a 0 nesta terça-feira e será a adversária do Brasil na semifinal dos Jogos de Pequim. As brasileiras também fizeram 3 a 0 na equipe japonesa, mais cedo, e o técnico José Roberto Guimarães disse que uma eventual pressão da torcida chinesa lotando o Capital Gymnasium não é motivo de preocupação para a próxima partida. "A torcida deles é educada, tranquila", afirmou o técnico brasileiro.   Veja também:  Chinesas vencem e enfrentam brasileiras nas semifinais do vôlei  Jogadoras dizem que próximos jogos serão mais difíceis Brasil vence e chega à semifinal no vôlei feminino em Pequim A campanha brasileira na Olimpíada de PequimPerguntado se a atual campanha vitoriosa de sua equipe, sem nenhum set perdido na Olimpíada, poderia tornar difícil para o time brasileiro sair atrás de algum resultado nas duas últimas partidas em Pequim, o treinador respondeu que as meninas "estão preparadas para qualquer coisa. Hoje elas estão prontas". Zé Roberto afirmou ainda que seu time está preparado para enfrentar qualquer adversário na continuação dos Jogos e que da derrota traumática nos Jogos de Atenas, há quatro anos, "não se aproveita absolutamente nada". Naquela ocasião, o Brasil perdeu a semifinal contra a Rússia, após desperdiçar seis match points. "Não tem como comparar Atenas com agora. Em 2004 a gente pegou um grupo fraco e só fomos pegar os Estados Unidos nas quartas-de-final, e neste ano a gente começou em uma chave forte e estamos nas semis", disse Zé Roberto. O técnico lembrou que da atual equipe apenas metade das 12 jogadoras - Fabiana, Fofão, Mari, Walewska, Valeskinha e Sassá - estavam na Olimpíada de Atenas, com algumas delas muito jovens. "A Fabiana, por exemplo, tinha 19 anos e hoje está mais experiente e eu estou tranqüilo porque vejo que o time está tranqüilo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.