Gaspar Nobrega/COB
Gaspar Nobrega/COB

Brasil estreia com dura derrota para o Canadá no rúgbi feminino na Olimpíada de Tóquio

Time brasileiro é derrotado por atual medalhista de bronze por 33 a 0

Redação, Estadão Conteúdo

29 de julho de 2021 | 02h14

A seleção brasileira feminina de rúgbi estreou na Olimpíada de Tóquio com derrota. Na noite desta quarta-feira (manhã de quinta na capital japonesa), o Brasil foi dominado e perdeu por 33 a 0 para o Canadá, atual medalhista de bronze e apontado como um dos favoritos, no Estádio Olímpico, em seu primeiro desafio no Japão.

As brasileiras já voltam a jogar no rúgbi sevens na madrugada desta quinta-feira, às 5 horas (de Brasília) contra a França. No mesmo dia, às 21h, as Yaras, como é conhecida a equipe feminina do País, definem seu destino na competição contra a seleção de Fiji, último jogo da fase classificatória.

Na fase classificatória do rúgbi sevens, avançam às quartas de final as duas melhores seleções de cada um dos três grupos e as duas melhores terceiras colocadas. O grupo A conta com Nova Zelândia (atual medalhista de prata), Rússia, Grã-Bretanha e Quênia. Já na chave C estão Austrália (atual campeã olímpica), Estados Unidos, China e Japão.

Na modalidade olímpica sevens, os times se enfrentam com sete jogadoras de cada lado e a partida dura apenas 14 minutos, dois tempos de sete minutos cada. Por isto, um time costuma jogar duas ou até três vezes no mesmo dia.

Na primeira etapa, a seleção brasileira, que começou o jogo com Bianca Silva, Izzy Cerullo, Raquel Kochhann, Luiza Campos, Mariana Nicolau, Marina Fioravanti e Rafaela Zanellato conteve os ataques das canadenses e conseguiu algumas roubadas de bola, embora sem concretizar em jogadas no ataque.

Faltando menos de dois minutos para o fim da primeira etapa, Bianca Silva foi advertida com amarelo, depois de cometer falta sobre Charity Williams, permanecendo dois minutos fora de campo, o que facilitou a vida do Canadá, que abriu a contagem com um try seguido de conversão marcada por Landry.

No segundo tempo, as entradas de Aline Furtado, Leila Silva, Haline Leme e das gêmeas Thalia e Thalita Costa não foram suficientes para segurar o forte volume de jogo das canadenses, que deslancharam depois de abrir o placar e venceram com facilidade.

O placar foi consolidado pelas canadenses no segundo tempo, com tries de Keyara Wardley (2), Karen Paquin (1) e a capitã Ghislane Landry (1), que ainda marcou duas conversões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.