Daniel Zappe/Exemplus/COB
Daniel Zappe/Exemplus/COB

Brasil fecha dia com 6 medalhas e está em 3º no Mundial de Atletismo Paralímpico

O destaque ficou para Claudiney Batista, ouro no lançamento de disco da classe F-56

João Prata, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2019 | 16h35

Quatro bronzes, uma prata e um ouro. O Brasil conquistou seis medalhas nesta segunda-feira no Mundial de Atletismo Paralímpico de Dubai e terminou o dia no terceiro lugar na classificação do quadro geral. Quem subiu no degrau mais alto do pódio foi Claudiney Batista no lançamento de disco da classe F-56 (cadeira de rodas). Ele alcançou a marca de 45,92 metros e ficou à frente do iraniano Ali Mohammadyari (43,51m) e do indiano Yogesh Kathuniya (42,05m). O resultado garantiu uma vaga à Tóquio-2020 ao brasileiro.

"Atingi o índice A com essa marca. Foi uma boa prova para mim e me motiva mais aí. Foi uma prova longa, os atletas tiveram problemas para fixar as cadeiras. Costumo colocar uma toalha molhada na cabeça para não ficar nervoso e manter o foco", comentou. "Era a medalha que faltava. Fui campeão paralímpico no Rio e agora campeão mundial. Missão cumprida", complementou o atual recordista mundial da classe F-56 com a marca de 46,68m.

A prata saiu com Daniel Mendes nos 400m para cegos em prova que foi vencida pelo francês Aldolphe Timothe. Na mesma corrida, Felipe Gomes garantiu o bronze graças à desclassificação de um atleta espanhol que havia terminado em terceiro, mas foi punido por interferência - o guia tentou colocar o competidor à frente.

Outro bronze veio com a namorada de Felipe, Viviane Pereira nos 100m rasos na classe T-12 (baixa visão). Ela fez a melhor marca da carreira com o tempo de 12s00. O ouro ficou com a imbatível cubana Omara Durand (11s66).

RECLASSIFICAÇÃO

A quinta medalha foi de Raissa Rocha, o bronze no lançamento de disco, e a sexta conquista do dia veio na verdade no dia anterior, mas só foi computada nesta segunda-feira. O brasileiro João Victor ficou em quarto lugar no arremesso de peso classe F-37 - paralisia cerebral com marca 13,76m.

O grego Apostolos Charitonidis havia vencido com uma marca superior a 16m. A organização do evento, no entanto, considerou que ele competiu em uma classe que não era a dele. Charitonidis foi para a T-38, perdeu a medalha e ainda competiu nesta segunda-feira e ficou em quarto lugar na nova classe.

O Brasil terminou o dia em terceiro lugar no quadro de medalhas, com 16 pódios no total (sete ouros, três pratas e seis bronzes). A Ucrânia está em segundo com 17 conquistas e a China lidera com 31.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.