Brasil oferecerá 'excelente' padrão de segurança à Olimpíada, diz ministro

Em meio à escalada de atos terroristas na Europa e o temor com a garantia de segurança durante os Jogos Olímpicos, que serão realizados no ano que vem no Rio de Janeiro, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, reforçou nesta quarta-feira que o Brasil tem condições de realizar o evento com tranquilidade. "Tenho absoluta convicção que ofereceremos um excelente padrão de segurança", afirmou.

CARLA ARAÚJO E LIGIA FORMENTI, Estadão Conteúdo

18 Novembro 2015 | 13h29

Cardozo minimizou os efeitos do projeto aprovado no Senado, que ainda precisa ser sancionado pela presidente Dilma Rousseff, que prevê a liberação de visto para estrangeiros visitarem o Brasil durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 no Rio. "Não tem efeitos nocivos, vai ser analisado com órgãos de inteligência de outros países".

O ministro disse que "é evidente" que a situação mundial está sendo acompanhada, que há intercâmbio entre as forças de inteligência mundiais e que, apesar de o Brasil nunca ter passado por uma situação de terrorismo, isso "não afasta a necessidade de tomar medidas de prevenção, por causa da situação mundial", disse Cardozo, destacando que as ações de inteligência são sigilosas.

"Os olhos dos órgãos de segurança do Brasil estão atentos para tudo, para eventuais situações terroristas, e para os chamados lobos solitários", afirmou, referindo-se a terroristas que não pertencem a nenhuma organização criminosa. "Já estávamos atentos para isso", reforçou.

Cardozo citou ainda o exemplo da Copa do Mundo realizada no País em 2014 para reforçar que o Brasil está capacitado para receber grandes eventos. Segundo ele, todo o plano estrutural, de integração de forças policiais, dos órgãos de inteligência que foram usados durante a Copa será "efetivamente usado na Olimpíada".

Ele citou a atuação no Brasil em impedir a entrada de torcedores "barra-bravas" para evitar episódios de violência durante a Copa e disse que esse foi um trabalho "exitoso".

PROJETO - Em razão dos atentados terroristas ocorridos na noite de sexta-feira, em Paris, o governo brasileiro pode não sancionar projeto de lei aprovado pelo Congresso que suspende a exigência de visto para entrada no Brasil, durante quatro meses, no período da realização da Olimpíada em meados de 2016.

O projeto está na Casa Civil e a presidente Dilma Rousseff tem até o dia 24 de novembro para sancionar ou não o projeto. Até agora, as posições estavam divididas, principalmente polarizadas entre o Ministério da Defesa, que não concordava com a proposta, e do Turismo, que a defendia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.